Trekking

Originalmente, a palavra TREKKING, de origem Afrikaner (língua falada pelos descendentes de holandeses que imigraram para a África do Sul), significava: “uma longa e difícil jornada, como numa aventura”, mas com o passar do tempo e a utilização regular desse substantivo em atividades de lazer em contato com a natureza,TREKKING passou a significar simplesmente “caminhada em contato com a natureza”.

Apesar de tratar-se de uma atividade simples – afinal caminhar não requer grandes conhecimentos técnicos, grande preparo físico ou muito equipamento – o distanciamento entre o homem moderno, urbano, e o ambiente natural é tão grande que não é raro nos sentirmos alienígenas na natureza. Essa é a principal origem dos acidentes e desconfortos extremos em trilha.

MARCAS QUE APÓIAM NOSSOS CURSOS E QUE FORNECEM O EQUIPAMENTO QUE USAMOS: 

 

Mini-documentário do CURSO DE TREKKING:

O CURSO DE TREKKING da KALAPALO EDITORA, ministrado por Guilherme Cavallari, é oferecer técnicas e habilidades que ajudem o interessado a se sentir mais seguro, mais desenvolto, mais adequado e pronto para enfrentar os desafios do universo do TREKKING. Existem inúmeros roteiros clássicos no Brasil e no mundo, todos prontos para serem percorridos por aventureiros minimamente preparados e bem-dispostos. Nosso CURSO DE TREKKING visa exatamente isso: preparar e inspirar. 

DSC05871 REDUX
Alunos formados na 14ª turma do CURSO DE TREKKING, realizado em Abril de 2016 no REFÚGIO KALAPALO

APRESENTAÇÃO

SONY DSC
Preparação do jantar no acampamento selvagem.

O CURSO DE TREKKING da KALAPALO EDITORA, ensina e exercita o excursionista, de forma prática e objetiva, a dominar um conjunto de técnicas e conceitos que culminam por oferecer maior senso crítico, mais consciência, autossuficiência, independência, melhor desempenho físico, maior capacidade técnica e domínio tecnológico específico, desenvolvendo assim visão objetiva de suas limitações e possibilidades pessoais, bem como das limitações e possibilidades da própria atividade esportiva. Nosso objetivo com esse nível do curso é formar excursionistas comprometidos com a atividade e a filosofia que ela representa, capazes de incentivar e liderar outras pessoas no ambiente das trilhas.

CONTEÚDO RESUMIDO

1. Ética, código de conduta e compromissos morais
2. Técnicas de mínimo impacto ambiental
3. Equipamento básico, essencial, recomendado e opcional
4. Técnicas de deslocamento em ambiente natural
5. Técnicas de acampamento
6. Navegação e orientação
7. Procedimentos básicos de emergência
8. Condicionamento físico básico

8 CURSO DE TREKKING (Março 2014) REDUX (3)
Aula de navegação com bússola e carta topográfica durante o CURSO DE TREKKING no REFÚGIO KALAPALO, em Gonçalves (MG).

CONTEÚDO DETALHADO

1. História, ética, código de conduta e compromissos morais
Responsabilidades individuais e coletivas com o meio ambiente, clima, lixo e a atividade esportiva. Etiqueta de trilha. Convívio harmonioso em trilha. Uso e respeito da terra pública e privada. Consumo consciente. Não violência. Respeito a todas as formas de vida. Aspectos sociais, culturais e históricos da atividade esportiva. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

2. Técnicas de mínimo impacto ambiental
Noções básicas de mínimo impacto ambiental. Princípios básicos de manutenção, recuperação e construção de trilha. Conceitos, técnicas e equipamento específico e improvisado, úteis ou essenciais na minimização do impacto ambiental na atividade esportiva. Leave no Trace. Aula teórica com exercícios práticos ao longo do curso.

3. Equipamento básico, essencial, recomendado e opcional
Itens como mochilas, roupas técnicas, calçados, sacos de dormir, barracas, abrigos individuais e coletivos, cozinhas e acessórios de deslocamento e acampamento são apresentados e manuseados pelos alunos, de forma prática. Aquisição correta, uso correto, armazenagem correta e manutenção correta. Cada item de equipamento é inserido em um contexto histórico, local e internacional, adequado à realidade brasileira. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

4. Técnicas de deslocamento em ambiente natural
Escolha de roteiros, deslocamento com consciência ambiental e mínimo impacto, com mochila e sem mochila, com mochila pesada, em mata fechada, sobre terreno pedregoso, áreas alagadiças, exposição à altura, travessia de rios, caminhada sobre neve e gelo (somente teoria), ascensão e descenso de grandes inclinações, utilização de bastões de caminhada, deslocamento noturno. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

5. Técnicas de acampamento
Escolha do equipamento e local ideais para montar acampamento segundo topografia, vegetação, clima e necessidades específicas. Montagem de barraca. Montagem de bivaque individual ou coletivo. Coleta e tratamento de água. Problemas e soluções relacionados com a produção de lixo. Dejetos orgânicos. Questões relacionadas com o uso do fogo. Acampamentos estruturados e acampamentos selvagens. Culinária. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

6. Navegação e orientação
Deslocamento com uso de mapas, planilhas e tabelas de orientação. Leitura e navegação com cartas topográficas, bússola e altímetro. Navegação noturna. Uso básico do GPS antes, durante e depois da trilha. Orientação utilizando elementos naturais. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

7. Procedimentos básicos de emergência
Avaliação e gerenciamento de riscos. Gerenciamento de recursos. Avaliação e gerenciamento de situações de emergência. Estabilização de situações de emergência. Procedimentos apropriados e ação apropriada em situação de risco ou emergência. Elaboração prévia de “plano de resgate” e “plano de auto-resgate”. Meios de comunicação. Kit de emergência. Kit de primeiros-socorros individuais e coletivos. Aula teórica e prática teórica com exercícios práticos ao longo do curso.

8. Condicionamento físico básico
Técnicas de respiração. Exercícios de alongamento. Exercícios para ganho resistência aeróbia e muscular. Exercícios para ganho de força muscular. Técnicas para poupar energia. Proposta de planilhas de treinamento. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

8 CURSO DE TREKKING (Março 2014) REDUX (17)
Introdução aos Primeiros Socorros durante o CURSO DE TREKKING realizado no REFÚGIO KALAPALO, em Gonçalves (MG).

CONDIÇÃO FÍSICA NECESSÁRIA

Havendo necessidade, caso a direção do curso exija, o aluno deverá apresentar atestado médico confirmando estar em plena saúde, capacitado a participar em um curso de alta exigência física, em ambiente natural e potencialmente inóspito.

O aluno não precisa ser atleta, mas deve ser uma pessoa fisicamente ativa, que mantenha atividades esportivas regulares e constantes, mesmo que leves, a pelo menos um ano e sem grandes interrupções.

EQUIPAMENTO NECESSÁRIO

OBSERVAÇÃO: Não recomendamos que alunos comprem equipamento antes do curso, melhor pedir emprestado ou alugar itens de nós (por valores simbólicos) e deixar para comprar depois do curso, quando o aluno terá maior discernimento na escolha.

Obrigatório NÃO fornecido pelo curso:

• Bota ou tênis apropriado para trekking já amaciado
• Uma calça e uma camiseta leve, preferencialmente de mangas longas, ambos em tecido sintético
• Um par de meias apropriadas para trekking (recomendamos material com CoolMax ou semelhante na composição)
• Duas cuecas ou calcinhas
• Boné ou chapéu
• Jaqueta impermeável (recomendamos em tecido respirável, como Gore Tex)
• Calça impermeável (recomendamos em tecido respirável, como Gore Tex)
• Calça e blusa térmicas em tecido sintético (Fleece, Polartec, etc.)
• Apito
• Cobertor de emergência (manta plástica metalizada ultraleve e compacta em material repletivo aluminizado)
• Óculos esportivos de lentes inquebráveis e com proteção UV (preferencialmente com caixa rígida de transporte)
• Relógio de pulso
• Pilhas para uso nas lanternas de cabeça
• Kit de higiene pessoal (protetor solar, repelente de insetos, escova de dentes, fio dental, pasta de dentes pequena, sabonete, absorvente íntimo de acordo com a necessidade e experiência de cada participante)

Obrigatório FORNECIDO pelo curso:

• Mochila cargueira DEUTER com capa de chuva
• Isolante térmico NAUTIKA de EVA com película prateada refletora de calor
• Saco de dormir DEUTER com saco de compressão
• Barraca, rede de dormir e/ou saco de bivaque
• Cozinha completa de acampamento com fogareiros, panelas e combustível
• Cuia, caneca e talher
• Bússola
• Kit de primeiros socorros (coletivo)
• Rastreador via satélite SPOT GEN-3 (coletivo)
• Garrafa de hidratação de 1 litro CAMELBAK CHUTE
• Aparelho de GPS GARMIN MAP 62s (c0letivo)

OBS: Havendo  necessidade, podemos alugar: jaqueta impermeável/respirável R$ 40, calça impermeável respirável R$ 40, par de bastões de caminhada R$ 40).

Proibido:

• Bebidas alcoólicas
• Substancias entorpecentes de qualquer espécie
• Tabaco de qualquer espécie
• Aparelhos de som individuais e/ou coletivos
• Qualquer tipo de arma, branca ou de fogo

8 CURSO DE TREKKING (Março 2014) REDUX (5)
Saída para o acampamento selvagem do CURSO DE TREKKING realizado no REFÚGIO KALAPALO em Gonçalves (MG).

CARGA HORÁRIA/PROGRAMAÇÃO

Curso de imersão, com aproximadamente 40 horas de duração, divididos da seguinte forma:
Sexta-feira: chegada dos alunos no REFÚGIO KALAPALO em Gonçalves (MG), onde será servido um jantar simples de boas-vindas para quem chegar até às 21h. Hospedagem em quarto coletivo, de no máximo quatro pessoas.
Sábado: café da manhã na seda da Kalapalo Editora às 6h30. Início das atividades às 8h. Faremos acampamento selvagem nessa noite.
Domingo: atividades a partir das 6h. Fim das atividades às 16h com lanche de despedida.

OBSERVAÇÃO: O curso oferece alimentação completa! Não havendo necessidade de trazer nenhum tipo de alimento, nem lanche de trilha!

DATAS DO CURSO

Visite nossa AGENDA para saber as datas programadas para a realização desse e todos nossos demais cursos, treinamentos, workshops, vivências, viagens e expedições: http://www.kalapalo.com.br/index.php/agenda/

LOCAL DE REALIZAÇÃO DO CURSO

O CURSO DE TREKKING é realizado no REFÚGIO KALAPALO, que está localizado no município de Gonçalves (MG), na Serra da Mantiqueira, na Fazenda Campestre. Sugerimos que os alunos provenientes da mesma cidade, como por exemplo São Paulo, se organizem em “carona solidária” para ir e vir até o curso, para minimizar despesas, gastos de combustível e impacto ambiental. Existem basicamente quatro formas de acesso ao nosso espaço:

Não importa de onde você venha, primeiro você tem que chegar à cidade de São Bento do Sapucaí (SP) ou diretamente ao município de Gonçalves (MG). Essas são as localidades mais próximas do REFÚGIO KALAPALO. Nós estamos exatamente a 12 km de distância dessas duas cidades.

1) Quase tudo asfalto:
Entre o asfalto que liga os municípios de São Bento do Sapucaí (SP) e Paraisópolis (MG), pela rodovia SP-042 (do lado paulista) ou MG-173/295 (do lado mineiro), está a entrada oficial para Gonçalves (MG), totalmente asfaltada. Uma vez no diminuto e simpático centro de Gonçalves siga as placas indicando São Sebastião das Três Orelhas, que fica 7 km antes do Bairro Campestre, onde estamos. Depois de São Sebastião das Três Orelhas logo aparecerão placas indicando a Fazenda Campestre, onde estamos situados. São 12 km em terra, que qualquer veículo de passeio consegue percorrer, não precisa ser 4×4. Uma dica para saber onde está a Fazenda Campestre, embora haja placas, é saber que a rua de terra que dá acesso ao REFÚGIO KALAPALO fica dez metros antes da entrada do Espaço Kalevala e de uma singela capelinha dedicada a São João. Essa rua de terra de 1,5 km de extensão chega diretamente à fazenda e ao REFÚGIO KALAPALO. Vá direto para a grande casa amarela no topo do morro, passando uma porteira e outra capelinha!

2) Quase tudo asfalto, com aventura:
A partir do município paulista de São Bento do Sapucaí, no bairro Serranos, existe um acesso de terra sinalizado que leva a Gonçalves (MG). São 12 km de extensão do centro da cidade até o REFÚGIO KALAPALO, metade em terra. O trecho de serra é íngreme e a estrada de terra pode estar em condições precárias, especialmente nos meses de chuva. Esse caminho é mais indicado a veículos 4×4, mas nos meses de estiagem pode ser feito normalmente por qualquer veículo. Depois de passar o portal que indica a divisa de municípios e de estados,  procure a capelinha muito singela, dedicada a São João, que fica na esquina da rua que dá acesso à Fazenda Campestre. A capelinha fica em frente ao Espaço Kalevala. Essa rua de terra de 1,5 km de extensão e termina na fazenda e no REFÚGIO KALAPALO. Vá direto para a grande casa amarela no topo do morro, passando uma porteira e outra capelinha!

3) Muita terra:
Pela Rodovia Fernão Dias, siga até o município de Cambuí (MG). Não entre no primeiro acesso (acesso sul), entre no segundo acesso, junto ao posto BR à direita para quem vai de São Paulo para Belo Horizonte. Uma vez na cidade, siga em direção ao bairro Córrego de Bom Jesus por cinco quilômetros em asfalto precário e suba a a serra em direção a Gonçalves. São 25 km de terra por uma estrada às vezes íngreme, sujeita a buracos e valetas dependendo do clima. Em época de chuva, esse é um caminho mais apropriado a veículos 4×4. No bairro rural de Campo dos Raposos vai haver uma estátua do Cristo Redentor com uma bifurcação. Tome a via da esquerda. O próximo bairro rural é Costas. Passe em frente à igreja matriz e vire à direita. Mais 9 km e chega-se ao cento de Gonçalves. Uma vez no diminuto e simpático centro de Gonçalves siga as placas indicando São Sebastião das Três Orelhas, que fica 7 km antes do Bairro Campestre, onde estamos. Depois de São Sebastião das Três Orelhas logo aparecerão placas indicando a Fazenda Campestre, onde estamos situados. São 12 km em terra, que qualquer veículo de passeio consegue percorrer, não precisa ser 4×4. Uma dica para saber onde está a Fazenda Campestre, embora haja placas, é saber que a rua de terra que dá acesso ao REFÚGIO KALAPALO fica dez metros antes da entrada do Espaço Kalevala e de uma singela capelinha dedicada a São João. Essa rua de terra de 1,5 km de extensão chega diretamente à fazenda e ao REFÚGIO KALAPALO. Vá direto para a grande casa amarela no topo do morro, passando uma porteira e outra capelinha!

4) Quase só terra:
Pela rodovia Fernão Dias, chegue ao distrito de Monte Verde (MG). É possível chegar a Monte Verde por Joanópolis (SP) ou Camanducaia (MG). Via Joanópolis é tudo terra, por 41 km de serra. Tem que chegar ao bairro Cancan em Monte Verde e passar em frente à conhecida Pousada Ponto de Luz e manter-se na estrada principal até chegar ao asfalto que liga Camanducaia a Monte Verde. Uma vez em Monte Verde, tem que seguir uma sequência de bairros rurais… Ponte Nova, Jaguary de Cima e Juncal, onde o caminho conecta com a estradinha de terra que liga o bairro Campestre com o centro de Gonçalves. Depois do Juncal vai haver placas indicando o bairro Campestre e a Fazenda Campestre. Uma dica para saber onde está a Fazenda Campestre, embora haja placas, é saber que a rua de terra que dá acesso ao REFÚGIO KALAPALO fica dez metros antes da entrada do Espaço Kalevala e de uma singela capelinha dedicada a São João. Essa rua de terra de 1,5 km de extensão chega diretamente à fazenda e ao REFÚGIO KALAPALO. Vá direto para a grande casa amarela no topo do morro, passando uma porteira e outra capelinha! Esse caminho todo, de Joanópolis a Monte Verde e depois até Gonçalves, está detalhadamente mapeado e publicado no GUIA DE TRILHAS CICLOMANTIQUEIRA (LINK para detalhes do livro no site).

DISTÂNCIAS ATÉ GONÇALVES (MG):
São Paulo (rodovia Fernão Dias): 180 km
São Paulo (rodovia Carvalho Pinto): 230 km
Rio de Janeiro (rodovia Fernão Dias): 380 km
Belo Horizonte (rodovia Fernão Dias): 480 km
Campinas (rodovias D. Pedro e F. Dias): 180 km
São José dos Campos: 100 km
Pouso Alegre: 80 km
Itajubá: 80 km
Campos do Jordão: 70 km
São Bento do Sapucaí: 25 km
Paraisópolis: 23 km
Monte Verde: 49 km

MAPA DA REGIÃO DE GONÇALVES, O BAIRRO CAMPESTRE ESTÁ NA BASE DO MAPA, NO CENTRO, A FAZENDA CAMPESTRE FICA NO PÉ DA PEDRA BONITA…

mapagonçalvesCAMPESTRE

EXPLICAÇÕES COMPLEMENTARES

Todo candidato a uma vaga do curso deverá preencher uma ficha de inscrição e, havendo necessidade para esclarecimento de quaisquer dúvida, poderá ser realizada uma entrevista (via telefone ou computador). A Kalapalo Editora reserva-se o direito de vetar a participação de qualquer pessoa que não preencha os pré-requisitos necessários de saúde, forma física, experiência, atitude e/ou personalidade.

O número máximo de alunos por curso é de oito (8) pessoas. O número mínimo é três (3). Não serão permitidos acompanhantes não-participantes, ouvintes, crianças ou animais de estimação. A região de Gonçalves é rica em pousadas e restaurantes para acompanhantes que queiram aproveitar o final de semana na montanha, independentes do curso.

O curso, uma vez agendado e confirmado, será realizado independentemente de condições climáticas. Clima “ruim” é considerado por nós como “condição positiva” ao aprendizado.

O curso não poderá ser gravado ou filmado. Fotos são permitidas, desde que não interfiram no andamento das aulas. O ritmo do curso será ditado pela média de experiência e capacidade física do grupo, respeitando sempre o indivíduo mais fraco, com menos experiência e pior preparado fisicamente. Celulares deverão permanecer desligados durante toda a duração do curso.

O curso não oferece transporte para deslocamento para chegada a Gonçalves (MG) e partida. Deslocamentos que se façam necessários nas imediações do curso será fornecidos pela KALAPALO EDITORA.

O curso oferece todas as refeições: jantar leve na sexta-feira, café da manhã e almoço no sábado, jantar e café da manhã no acampamento de sábado para domingo e almoço no domingo. Não há necessidade de lanche de trilha no sábado ou no domingo pois o percurso a ser percorrido em trekking não é logo ou extenuante o suficiente.

Depois de inscrito, o aluno poderá cancelar o sua participação no curso, obtendo 80% de reembolso do valor integral do curso, se avisar a direção de sua desistência com no mínimo 15 (quinze) dias de antecedência. Depois desse prazo não haverá restituição do valor da inscrição.

Aula de identificação e uso de equipamento apropriado no REFÚGIO KALAPALO, Gonçalves (MG)

INVESTIMENTO POR PESSOA

R$ 580,00 (quinhentos e oitenta reais).

OBS: A forma de pagamento é depósito/transferência bancária para nossa conta corrente no banco Santander. Não temos contas em outros bancos. O valor integral deverá ser pago antes do início do curso. 

INSCRIÇÕES

Através de e-mail para [email protected] ou pelos telefones (35) 9 9939 3427 (VIVO) ou (35) 9 9900 8252 (VIVO/WhatsApp).

MATERIAL DIDÁTICO

O curso não oferece material didático impresso específico, ficando sob a responsabilidade de cada aluno fazer anotações, se achar necessário. As aulas são essencialmente práticas e, portanto, o aprendizado se dá de forma mais corporal que intelectual. O curso, entretanto, utiliza como base teórica impressa os livros publicados pela Kalapalo Editora (http://www.kalapalo.com.br/), sendo esse material didático recomendado aos participantes, mas não obrigatório. O livro MANUAL DE TREKKING & AVENTURA, de Guilherme Cavallari e adotado inclusive pelo MEC (Ministério da Educação), compõe material importante de pesquisa e referência.

Nossa biblioteca, mapoteca, banco de imagens e agenda de contatos encontram-se à disposição de todos os alunos para consultas.

CERTIFICAÇÃO

Diploma exclusivo impresso, certificando a conclusão do Nível Básico (Líder em Trekking) do Curso de Trekking da Kalapalo Editora, para alunos que efetivamente apresentarem todas as tarefas cumpridas e documentadas, aprovadas pela mesa examinadora, e realizarem a apresentação final.

DCIM108GOPRO
Guilherme Cavallari em outubro de 2015, durante a CAPE WRATH TRAIL, um roteiro de trekking semi-selvagem de 450 km realizado solo pelo aventureiro.

INSTRUTOR

Guilherme Cavallari, fundou a KALAPALO EDITORA em 2001 e é referência nacional em esporte e turismo de aventura. Autor de 18 livros e coautor de diversos filmes, entre eles o premiado TRANSPATAGÔNIA. Tem em seu currículo mais de 16.000 km de trilhas para mountain bike, cicloturismo e trekking detalhadamente mapeados e publicados, entre eles roteiros no Brasil (SP, MG, RJ, ES, PR, SC e RS), na Argentina e no Chile (Patagônia e Terra do Fogo) e nas Highlands da Escócia. Viveu e trabalhou por sete anos nos EUA, Inglaterra, Israel, Itália e Alemanha. Praticante de esportes de contato com a natureza desde 1976.Foi colaborador, repórter e/ou editor de importantes veículos de comunicação do segmento outdoor nacional, como as revistas NEZ-Adventure, AVENTURA & AÇÃO e GO OUTSIDE, os sites WEBVENTURE e EXTREMOS. Em 2012/2103 realizou a EXPEDIÇÃO TRANSPATAGÔNIA, viagem solo de 6 meses de duração, 6.000 km de extensão em mountain bike e cerca de 600 km em trekking, percorrendo toda extensão da Patagônia e da Terra do Fogo, na Argentina e no Chile.Dessa experiência surgiram o livro TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS e o filme-documentário TRANSPATAGÔNIA. Em 2015/2016 percorreu a Cape Wrath Trail, de 450 km de extensão, nas Highlands da Escócia, a travessia em trekking considerada “a mais difícil da Grã-Bretanha. No mesmo período pedalou numa mountain bike tandem (dupla), com a esposa Adriana Braga, 700 km cruzando de leste a oeste as Highlands da Escócia. Dessas duas experiências produziu o livro HIGHLANDS, POR BAIXO DO SAIOTE ESCOCÊS e o vídeo HIGHLANDS. sozinho e autossuficiente. Desde 2013 vive em Gonçalves (MG), na Serra da Mantiqueira, onde mantém com a esposa, Adriana Braga, o REFÚGIO KALAPALO, uma escola de aventura pioneira no Brasil.