Blog
Muita gente me pergunta “qual é a bike ideal” ou “qual a bicicleta...
  Quando terminei de assistir ao filme Capitão Fantástico, do...
De 24 de fevereiro a 1 de março, o REFÚGIO KALAPALO oferece um pacote...
Trlhas
KM Total: 39,86 Metros subidos: 1.075 / descidos: 1.075 Tempo...
KM Total: 205,00 Metros subidos: 4.673 / descidos: 4.673 Tempo estimado:...
KM Total: 152,02 Metros subidos: 2.684 / descidos: 2.684 Tempo estimado:...
Bazar
O "Duck" é um caiaque inflável bastante eficiente e prático,...
Em "Uma Mulher, um Caiaque e o Oceadno", Simone Miranda Duarte, campeã...
Descrição: A Bolsa de Guidão da marca alemã Vaude é fixada no guidão...

Transpatagônia, Pumas Não Comem Ciclistas

R$ 54,00
Qtd:   PagSeguro
Informações do produto
TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS não é apenas uma narrativa de aventura. De forma pessoal e envolvente, o livro narra uma longa travessia feita de bicicleta por uma das últimas regiões do planeta a serem habitadas pelo homem. Ao longo do percurso, a obra mescla traços autobiográficos, considerações sobre a vida e extensa pesquisa histórica e literária.  

 

Durante seis meses, Guilherme Cavallari pedalou sozinho por toda a extensão da Patagônia e da Terra do Fogo, no Chile e na Argentina, cruzando a fronteira entre os dois países 16 vezes, em pontos que mal constam dos mapas. Foram 6.000 km em 180 dias consecutivos, além de dezenas de noites de acampamento... Números que, no entanto, falam pouco sobre a verdadeira aventura da viagem: o autoconhecimento. 

 

TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS é, acima de tudo, uma jornada pela alma – tanto do aventureiro e autor quanto da região que ele percorre sobre duas rodas e com a escrita. Despretensiosa e surpreendente, a obra mantém, desde o início, o olhar questionador e o compromisso com a sinceridade. E como diz o autor: “Em cima da bicicleta sobra tempo para filosofar…”.

 

O livro apresenta ainda 10 mapas detalhados de pontos do percurso e 28 fotos coloridas, além de tabelas minuciosas com o cronograma da viagem, lista completa de todo o equipamento utilizado, bibliografia e filmografia de referência.  

 

TRANSPATAGÔNIA também é o título de um filme-documentário de 60 minutos de duração dirigido por Cauê Steinberg, montado a partir das gravações feitas em campo durante a viagem. O filme foi vencedor do Prêmio do Público no Rio Mountain Festival 2014. O filme está disponível para assistir no NETFLIX, no CANAL BRASIL/NET/NOW, no GOOGLE PLAY e no I-TUNES.  

 

ATENÇÃO! O PRAZO DE ENVIO DA KALAPALO EDITORA PARA ESSE PRODUTO É DE SETE (7) DIAS, QUE DEVEM SER SOMADOS AO PRAZO DE ENTREGA DOS CORREIOS, DEPENDENDO DO MODO DE POSTAGEM ESCOLHIDO.

 
Transpatagônia, Pumas Não Comem Ciclistas
Guilherme Cavallari
2015
336 páginas
16 x 23 x 2 cm
550 gr
Kalapalo Editora
ISBN 9788588493117
 
 
Filme-documentário TRANSPATAGÔNIA em Pay-per-View no Google Playhttp://bit.ly/transpatagoniagplay
 
 
Principais matérias sobre TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS na mídia:
 
 
 
Entrevista com o autor na REDE GOSPEL DE TELEVISÃOhttps://www.youtube.com/watch?v=g0-EAyoE_Qs
 
 
Matéria publicada no site da revista GO OUTSIDEhttp://gooutside.com.br/4100
 
Principais eventos TRANSPATAGÔNIA:
 
Filme-documentário TRANSPATAGÔNIA ganha o Prêmio do Pùblido no Rio Mountain Festival 2014, no Rio de Janeiro: http://www.kalapalo.com.br/index.php/transpatagonia-vence-rio-mountain-festival-2014/
 
Lançamento do livro TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo: http://www.kalapalo.com.br/index.php/fotos-lancamento-de-transpatagonia-em-sp/
 
Exibição do filme TRANSPATAGÔNIA no MIS (Museu da Imagem e do Som), em São Paulo: http://www.kalapalo.com.br/index.php/exibicao-transpatagonia-mis-sp/
 
Resenhas em vídeo TRANSPATAGÔNIA:
 
 
 
Comentários de quem leu TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS:
 
"TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS certamente será referência em literatura de viagem no Brasil, poucas obras tem o poder de transformação, informação e de inspirar o leitor a conhecer um novo mundo que Guilherme Cavallari conseguiu imprimir nas páginas de seu livro". 
(Elias Luiz, editor-chefe do site “Extremos”)
 
"Mais do que um livro do segmento outdoor, é um apanhado histórico sobre o "fim do mundo ". Viajei pela Carretera Austral e por várias cidades, vilarejos e trilhas com o autor. Um livro sensacional!". 
(Laudenir Xavier)
 
"Sempre com um olhar questionador e sincero, o livro narra a longa travessia e leva até o leitor uma extensa e interessante pesquisa histórica e literária. Um convite tentador para a próxima viagem". 
(Sessão Cultura da revista “Go Outside” de novembro de 2015)
 
"A maior aventura é a busca pela felicidade. Assim é o livro do Guilherme Cavallari, uma viagem de aventura, cheia de questionamentos, inquietudes e surpresas. Peguei o livro pela manhã e só larguei a noite, inspirado para as minhas próprias aventuras..." 
(Valerio Dallolio)
 
“O livro, numa palavra, ou melhor, em duas palavras: é inspirador!”
(Paulo Vieira, ex-editor da revista “Viagem e Turismo” e atual editor do site “Jornalistas Que Correm”)
 
“No todo, é um livro de viagem moderno. Ambientalismo, capitalismo, tecnologia e espiritualismo, tudo em cima de uma bicicleta. Não poderia ser mais século XXI, sem perder os laços com o passado e ao mesmo tempo ser uma homenagem ao poder do presente. A leitura também foi uma bela viagem! Obrigado!”
(Renato Kestener)
 
“O texto é inspirador e poético, as reflexões são profundas e verdadeiras, tocam a alma, conversam com o coração. Admiro a facilidade com que os aprendizados mais íntimos, a tristeza mais real, os desejos mais mundanos foram narrados. Lendo o livro, conectei-me com o mais profundo eu”.
(Antônio Calvo, diretor do “Armazém Aventura” e colunista do site “Extremos”)
 
“O melhor livro de cicloturismo que já li!”
(Charles Zimmermann, aventureiro e autor do livro de cicloturismo “Travessias”)
 
"TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS pode ser uma ou muitas coisas: um mergulho na aridez e na beleza de uma porção da Terra, com seus personagens, que parece fazer parte de outro planeta; uma reflexão sobre a vida e sobre o que construímos para vivermos dentro de uma zona de conforto particular; um momento de parada para olharmos para nós mesmos, questionando toda a bagagem que fazemos questão de carregar; uma oportunidade para aprendermos mais sobre a história dos nossos vizinhos; uma carona que pegamos com o autor para irmos mais longe; um convite para sua próxima viagem, ainda que não seja feita numa bike".
(Amandina Morbeck, editora do site “Viajando com Amam”)
 
"A escrita envolvente e direta transformou esse livro numa das melhores narrativas de aventura que já li".
(Amandina Morbeck, editora do site “Viajando com Amam”)
 
"A leitura me transportou para lugares desconhecidos, mas ao mesmo tempo pude me sentir lá, passando frio, calor, tomando lama na cara e desfrutando da hospitalidade de pessoas ricas, pobres, letradas ou não, mas sempre com histórias para contar". 
(Michael Strugale)
 
"Tem livros que leio duas vezes. Sim, logo após o fim da leitura, volto pra primeira página e recomeço, assim, emendada mesmo, a segunda leitura. Mas só alguns livros merecem essa segunda leitura na cola da primeira. E são aqueles livros que eu gosto muito. Mas muito mesmo! TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS mereceu essa distinção! [...] E garanto que ainda vou ler uma terceira vez!”
(Luciano Vieira, editor do site “Blogdolubassman”)
 
“Um livro magnífico sobre uma região magnífica. Gostei muito. Parabéns!”
(Guilherme Gonzaga)
 
“Vou começar pelo final, onde o autor questiona se vai dar conta de transcrever para o papel tudo o que viveu durante seis meses cruzando a Patagônia. Afirmo, com todas as letras, que o Guilherme conseguiu muito mais do que isso! Conseguiu prender minha atenção, me divertiu, trouxe inspiração para novos projetos e a certeza de que nos lançarmos ao desconhecido é a melhor forma de autoconhecimento que existe. Embora soe clichê, o livro me fez viajar com o autor. E para mim, isso basta para saber que tenho um grande livro nas mãos! Parabéns... Que venham outros nessa mesma linha!”
(Fabio Fliess)
 
“O livro foi uma delícia de ser lido. Um depoimento sincero, claro; muito bem escrito mesmo. Deve inaugurar uma tendência nesse tipo de literatura no país por estabelecer esferas muito bem sustentadas e amarradas por uma estrutura literária repleta de humanidade”.
(André Gurgel, autor do livro "Meu Primeiro GPS")
 
"O livro me surpreendeu positivamente. E muito! Eu estava preparado para ler sobre uma aventura interessante, mas encontrei muito mais... Bem escrito, bem estruturado, a edição – papel, diagramação, imagens etc. – também me surpreendeu positivamente. Parabéns!"
(Armando Olivetti, editor, revisor e doutor em letras pela USP)
 
"TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS foi uma daquelas leituras em que a gente se transporta para o enredo, participa, aprende e quer ver tudo in loco. Esse livro está na minha estante ao lado de Amyr Klink e Shackleton."
(Luiz Pelizzer)
 
“A leitura me fez viajar junto com o autor. Pude aprender, me questionar e refletir sobre muitas coisas. Por exemplo, sobre como nos afastamos e perdemos a nossa essência por estarmos cada vez mais afastados de situações desafiadoras e da natureza. Terminei a leitura com uma lista de anotações e uma vontade enorme de pegar a estrada.”
(Maximiliano Cunha)
 
"Bem escrito, verdadeiro, emocionante e didático. Uma narrativa como se fosse uma conversa na varanda com uma xícara de café nas mãos! É assim que posso classificar o livro! Obrigada!"
(Kátia Santos)
 
"TRANSPATAGÔNIA, PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS me emocionou por muitas vezes, não só pelo relato da viagem em si mas pela delicadeza da descrição dos detalhes. O livro me encorajou a realizar um sonho e seguirei na minha primeira viagem de bike. Obrigada!"
(Jaqueline Ferreira)
 
“Muito bem escrito, uma leitura muito agradável, sincera e honesta de uma viagem incrível. Super recomendo!”
(Márcia Shintate)
 
"A narrativa é impecável, o contexto surpreendente e o livro é inspirador."
(Alexandre Honig Gonçalves)
 
“Um exemplo para a literatura de viagem e aventura brasileira. Cativante e emocionante.”
(Carlos Eduardo Roque da Silva)
 
"Ponteado de impressões e reflexões sobre os caminhos percorridos na bike e na vida, o livro é também filosófico. Inspirador. O livro não é somente sobre viajar de bicicleta e vai repercutir em todos aqueles que refletem sobre formas alternativas de se relacionarem com a passagem do tempo e com a posição do ser huma no espaço."
(Vitaly Costa e Silva)
 
"Fantástico! Uma aventura com inúmeras aventuras dentro! Quanto mais eu lia, mais queria ler!"
(Marcelo Fortuna Mancinelli)
 
"Um prato cheio de aventura, um banho de cultura e uma longa estrada com muitas surpresas. O melhor livro de aventura que já li!"
(Diego Fernando)
 
"Esse livro é uma experiência única e agradeço por me possibilitar vivê-la. Agradeço de coração tudo o que aprendi com você, especialmente esse seu jeito de colocar seus pensamentos, seus valores e sentimentos. Que forma mais linda de ganhar a vida, iluminando o caminho das pessoas!"
(Antonio Carlos de Sousa Ribeiro)
 
"A narrativa é maravilhosa, em nenhum momento me senti entediado, pelo contrário, fiz a leitura em quatro dias. Os mapas foram essenciais para quem não conhece a Patagônia, muito bem feitos e elaborados. Os relatos historicos pareciam acontecer naquele exato momento.  Impressionante!"
(Henrique Caciquinho)
 
"É inspirador, dá vontade de pegar a bike ou a bota de trekking e sair desbravando aquelas trilhas. É revelador, pois você percebe que é possível se embrenhar naqueles rincões sem maiores consequências. É didático, pois você aprende muito sobre a região, suas particularidades, seus personagens. Parabéns pelo trabalho!"
(Suzi Vitoriano)
 
"Me senti como se estivesse com o Guilherme na garupa de sua bicicleta. Mas foi nos seus questionamentos de como encarar esta nossa vida onde mais viajei. Sem dúvida um livro que mexeu ainda mais no meu modo de pensar e, assim como o autor, assumi novos compromissos comigo mesma. Este livro fará parte da minha prateleira de vida. Gratidão pelos ensinamentos!"
(Wans Spiess)
 
"Viajei junto a cada pedalada. Adorei a história, a tabela de equipamento e a bibliografia. Um livro inspirador para todos, ciclistas ou não."
(Alessandro Deretti)
 
"Esse livro é incrível! Recomendo a todos!"
(Reinaldo Recepute Freesz)
 
"É daqueles livros que você não consegue parar de ler. Com sentimento, descrições geográficas e históricas, o autor nos leva a conhecer a Patagônia. Os ventos, a chuva, os esforços para vencer obstáculos são descritos de tal maneira que parece que estamos pedalando com ele... Inspirador!". 
(Claudio T. Falcão Cerca)
 
"Li o livro nas minhas férias na Patagônia. Valeu muito a pena! Além de me identificar com vários pensamentos do autor, pude conhecer muito da história de cada um dos lugares. Parabéns!"
(Tiago Favaro)
 
"Muito bom. Levei três dias pra terminar, lendo em ônibus praticamente. Toda a pesquisa sobre a região e as indicações de leitura deixaram o livro ainda mais interessante do que seria apenas com o relato da viagem. São três livros na verdade: sobre a Patagonia, sobre a viagem e sobre as reflexões que a viagem trouxe, além das várias deixas para pensarmos a sociedade. Parabéns pela obra!"
(Camilo Lisboa)
 
"Livro sensacional!"
(Enilson Almeida)
 
"Esses dias eu estava pensando... Pena que já li o livro! Porque ele é tão bom, tão bom, me fez viajar tanto, que eu poderia apagar a memória e ler o livro mais uma vez e ter as mesmas emoções de novo! Não tem um botãozinho de reset?"
(Katia Santos)
 
"Fiquei encantado com todos os detalhes do livro, parece até que eu mesmo fiz a viagem. Foi o tipo de leitura que me deixava ansioso para chegar em casa e poder ler mais e, no dia seguinte, eu narrava trechos do livro para os meus amigos. Após ler o livro me deu vontade de fazer uma viagem parecida."
(Wendel Benedik Santos)
 
"Gostei muito e cheguei a me emocionar várias vezes. O livro é inspiração pura, é liberdade em forma de palavras..."
(Ayeska Hübner)
 
"Um ótimo trabalho, com certeza um dos melhores livros sobre a Patagônia."
(Gabriel Bueno)
 
"Muito bom e rico em detalhes. Excelente introspecção!"
(Lorenzo Teixeira)
 
"Uma das melhores coisas que já li no gênero, não dá para parar!"
(Flávio Magalhães)
 
"O único problema do livro é que ele faz a gente perder a estação onde tem que descer quando começamos a ler no Metrô"
(Joseane Alves)
 
"Nunca tive o hábito de ler, mas esse livro é diferente, é inspirador! A gente acaba entrando na viagem. A narrativa é ótima! Parabéns!"
(Jorge Moreira)
 
"Uma experiência única! Uma aventura incrível que, com certeza, vai motivar muita gente a pedalar, fazer trekking ou simplesmente olhar o mundo com outros olhos. Parabéns! E já estou esperando seu próximo livro..."
(Adriano Goulart)
 
"Talvez o que mais tenha me surpreendido no livro foi o fato do autor ter conseguido trazer o leitor para muito perto. Não se trata apenas do relato de uma viagem exploratória de um ambiente geográfico um tanto inóspito no planeta e daquilo que se passa dentro do viajante que protagoniza a experiência, mas é principalmente uma viagem de exploração filosófica, que convida o leitor ao diálogo, e o incita a voltar-se ele também para dentro de si, e a conectar-se com questões universais do ser humano. Meus incansáveis parabéns pelo trabalho tâo belo!"
(Renata Araújo)
 
"Fico lisonjeado em ter esse livro em mãos e agradeço pelo conhecimento. O mais engraçado é ver as pessoas esticando os olhos para ler umas linhas de graça no Metrô. Gratidão por tudo!"
(Rodrigo Bueno Alves)
 
"Amei, amei, amei! Adorei muito mesmo! Li o livro como se estivesse conversando com um amigo de longa data, como se o autor estivesse contanto "causos" pra mim... Parabéns pela expedição e parabéns pelo livro!"
(Isabella Sarcinelli Vichi, editora do site "LidoLendo")
 
"Devorei o livro em quatro dias! Sensacional! A escrita é envolvente, informal e muito rica em detalhes! Parabéns!"
(José Marques Filho)
 
"Sensacional! Parabéns pelos relatos, sinceridade e viagens filosóficas que só ajudaram a encorpar o livro!"
(Geraldo Coelho)
 
"Degustar esse livro foi como descobrir um Thoreau vivendo não em Walden, mas em Gonçalves/MG, ou receber a notícia de um Jack London paulistano refugiado em algum lugar da Serra da Mantiqueira... Uma obra fantástica sobre uma aventura real. Literatura de altíssimo naipe e profundamente humana. Não tenho como recomendar esse livro o suficiente. Leia, leia mais, leia de novo! E não me culpe se, no final, você estiver arrumando uma mochila rumo a Cochrane..."
(Alessandro Loiola)
 
"Que coisa boa de ler! Autor culto, mas simples. Profundo, mas acessível. Forte, mas sensível! Que prazer viajar na leitura com um escritor preparado. Juro, tive pena de acabar o livro!"
(Helen Hertzog)
 
"O melhor livro de aventura que já li. Misto de aventura, cultura, visão de mundo, observações filosóficas... Foi uma grande lição para mim. super indico!"
(Diego Fernando)
 
"Esse livro é precioso para todos aqueles que não querem apens colecionar roteiros e passar superficialmente por eles, mas sim, para aqueles que querem conhecer e sentir a magia de cada lugar... Isso sim é transformador na nossa vida!"
(Ana Sommacal)
 
"Excelente trabalho! Leitura dinâmica, fácil, recheada de fatos históricos e de personagens interessantes. Sucesso!"
(Alvino Lima)
 
"Além de nos contagiar com a narrativa, escreve sobre a história da Patagônia, pitadas filosóficas... Recomendo. Muito bom!"
(Julio Recchia)
 
"Maravilhoso livro! O relato é completo e inspirador para quem ama as bicicletas e a natureza. Aprendi demais sobre a Patagônia e a Terra do Fogo lendo esse livro. Parabéns!"
(Guilherme Lopes Soledade)
 
"Adorei o livro. Mais do que um relato sobre a Patagônia e a Terra do Fogo, ele nos inspira a pensar sobre qual vida queremos para nós. Mostra que é possível encontrar felicidade em coisas simples da vida. Parabéns pelo trabalho!"
(Emilio Scafura Lomonte)
 
"Fiquei encantado com a riqueza de detalhes, filosofadas, histórias, pensamentos, questionamentos, decisões, enfim tudo! Muito grato por proporcionar mais essa viagem em boa companhia."
(Otávio Jyoti)
 
"Gostei muito! A riqueza de detalhes nos remete a viajar junto com o autor como cúmplices em cada etapa dessa longa travessia, contagiando a leitura e levando-nos com as belas paisagens, com personagens inusitados e, principalmente, com a história dos pioneiros que desbravaram cada local visitado. Uma verdadeira viagem no tempo e na imensidão da Patagônia! Parabéns e até a próxima aventura!"
(Pedro de Paula Santos Junior)
O melhor livro de aventura que já li! 

É um misto de aventuras, cultura, visão de mundo, observações filosóficas... Foi uma grande lição para mim. Super indic