Blog »

CHECKLIST: TRILHA DE UM DIA DE MOUNTAIN BIKE

Kalapalo 20/08/2010 0

Tem gente que, como eu, pedala quase todos os fins de semana. E isso por anos! Minha mochila de trilha fica pronta o ano todo, eu só preciso colocar mais água no sistema de hidratação e, a cada seis meses ou um ano, lavar a bichinha… Quando nem eu aguento mais meu próprio cheiro!

Isso tem vantagens e desvantagens… Estou sempre pronto pra pedalar, isso é bom! Mas também tem desvantagens…

Outro dia encontrei uma embalagem vazia de carbohidrato em gel, com a gosminha que escapa no final já fossilizada, cimentada junto com uma moeda de 25 centavos e uma cápsula do aminoácido BCAA… Tentei, em vão, lembrar quando eu havia consumido aquele gel. Nem idéia. Mas fazia mais de um ano que eu não consumia BCAA… Então o troço era velho! Fiquei ainda em dúvida se jogava fora o aminoácido ou reaproveitava no próximo pedal… Mas como não consegui descolar o conjunto, joguei tudo fora.

Essa historinha é pra ilustrar que muitas vezes levamos coisas demais pro pedal… E às vezes coisas de menos. Segue abaixo um checklist para uma trilha de mountain bike de algumas horas a um dia de duração…

  • Bike devidamente funcional, lubrificada e revisada;
  • Capacete em perfeito estado;
  • Óculos esportivos (que protegem dos raios solares nocivos e de galhos, insetos, pedrinhas, etc.);
  • Luvas leves de ciclismo (o primeiro ponto do corpo que costuma tocar o solo em quedas é a mão, ou as mãos);
  • Sapatilhas para quem usa pedais de encaixe;
  • Mochila de hidratação com 2 a 3 litros de água (sugiro ao invés de levar caramanholas, ver post SISTEMA DE HIDRATAÇÃO OU CARAMANHOLA no blog)
  • Algumas barrinhas de cereal, um pacotinho de amendoim, carbohidrato em gel, ou sua comida não perecível de trilha favorita (às vezes a gente sai pra pedalar duas horas e uma série de probleminhas, ou muita diversão, fazem a brincadeira duras mais de cinco horas);
  • Câmara reserva nova (mesmo para pneus sem câmara);
  • Pelo menos duas espátulas para extrair pneus (há que não goste e não precise, mas esses tem unhas de Wolverine, eu não sou mutante);
  • Kit de reparo de pneus com tubo pequeno de cola, meia dúzia de remendos de vários tamanhos e um pedacinho de lixa fina (4×4 cm tá bom);
  • Bomba de ar manual ou disparador de CO2 com pelo menos dois cartuchos (eu levo os dois por excesso de segurança, mas não precisa);
  • Chave de corrente (mesmo para quem tem corrente com elo móvel);
  • Chave de aro (mesmo para quem usa frio hidráulico);
  • Duas tiras de 25 a 50 cm de cumprimento cortadas de uma câmara velha de pneu de bike, a largura das tiras pode ser a metade da câmera aberta (isso é igual Bom Bril, tem 1001 utilidades, inclusive amarrar uma câmera rasgada impossível de remendar);
  • Seis Zip-Lock (aqueles “engasga-gato” de plástico, que além de calar felinos também tem 1001 utilidades);
  • Capa de chuva ou corta vento ultraleve, dessas de 100 g (tem gente que, como eu, não se importa de ficar molhado em trilhas de um dia, só não quer sentir frio).
  • Antes de sair de casa ou de começar a pedalar, use protetor solar de fator de proteção alto;
  • Quem quiser, pode também usar ou levar um repelente de insetos, especialmente se for alérgico;
  • Telefone celular com crédito e bateria carregada (hoje em dia chega a ser assustador os lugares onde tem sinal);
  • Algum dinheiro, cartão telefônico, cartão de crédito e documentos;
  • Se houver a possibilidade da trilha se estender noite adentro, não esqueça de jogar na mochila de hidratação uma lanterna (pode ser de testa ou de bike) com pilhas carregadas e um pisca-pisca.

Não pense que quanto mais experiente o ciclista, menos ele precisa levar ou que ele não esquece as coisas… Não sou o mountain biker mais experiente do mundo, nem o mais experiente que conheço, embora eu já esteja bem rodado… Mas outro dia fui pedalar e esqueci a bike em casa! Quer dar risada, leia a crônica (Des)atenção plena, aqui mesmo no blog…

Muitas dessas dicas, e outras, estão publicadas na coleção Guia de Trilhas enCICLOpédia, junto com aproximadamente 500 km de trilhas para mountain bike no estado de São Paulo em cada livro.