Cursos »

Mountain Bike e Cicloturismo

O mountain bike (mountain biking, em inglês correto), como é conhecido no Brasil – ou simplesmente MTB – é um esporte individual, mesmo quando praticado em grupo. Se, no ambiente urbano, o maior risco ao ciclista está concentrado no trânsito de outros veículos – maiores, mais pesados, mais poderosos e proporcionalmente mais agressivos e arrogantes – no ambiente natural, onde o mountain bike é praticado, o maior risco ao ciclista esta concentrado na falta de preparo ou na inexperiência do próprio ciclista.

Nosso Curso de Mountain Bike e Cicloturismo é dividido em dois níveis de graduação em estilo presencial, com dois processos de pós-graduação em formato autossuficiente. Em nossa visão – enquanto entidade profissional fomentadora e educativa, especializada em atividades de contato com a natureza –  os “esportes de aventura” são estruturados sobre um alicerce triplo, um “tripé” composto por conceitos (valores e conhecimentos), técnicas (capacidades e habilidades) e tecnologia (equipamento apropriado e domínio de sua utilização). Esse é o alicerce pedagógico dos nossos cursos e suas principais características são: abordagem prática e acúmulo de experiência. Nosso objetivo com esses cursos é desenvolver liderança, segurança e sustentabilidade.

Marcas que apoiam nosso curso e cujo equipamento usamos em aula:

logos-2

Grupo reunido para a partida no segundo dia de viagem, em Brazópolis (MG)

APRESENTAÇÃO

O Nível Básico (Líder de MTB) ensina e exercita o ciclista, de forma prática e objetiva, a dominar um conjunto de conceitos, técnicas e equipamento que culmina por oferecer maior senso crítico, mais consciência, autossuficiência, independência, melhor desempenho físico, maior capacidade técnica e domínio tecnológico específico; desenvolvendo assim visão objetiva de suas limitações e possibilidades pessoais, bem como das limitações e possibilidades do próprio esporte. Nosso objetivo com esse nível do curso é formar mountain bikers comprometidos com o esporte e a filosofia que o MTB representa, capazes de incentivar e liderar outras pessoas no ambiente das trilhas.

CONTEÚDO RESUMIDO

1. A mountain bike, seus componentes e itens de segurança
2. Ajustes, limpeza, manutenção e transporte da bike
3. Ética, código de conduta e filosofia outdoor
4. Procedimentos básicos de emergência
5. Técnicas, conceitos e equipamento de cicloturismo
6. Navegação e orientação
7. Mecânica de emergência
8. Técnicas de pilotagem

DSC02669 REDUZIDA

CONTEÚDO DETALHADO

1. A mountain bike, seus componentes e itens de segurança
Itens que compõem uma mountain bike e seus componentes. História, geometria, tecnologia. Aplicações e utilizações apropriadas. Itens essenciais de segurança individual. Transporte em diferentes situações e veículos. Armazenagem. Acessórios básicos que podem melhorar a segurança do esporte e seu melhor desempenho. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

2. Ajustes, limpeza, manutenção e transporte da bike
Ajuste da bicicleta para torná-la mais apropriada ao usuário. Princípios básicos de Bike Fit. Limpeza rápida. Lavagem completa depois, eficiente e ecologicamente correta. Lubrificação. Manutenção básica e manutenção preventiva. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

3. Ética, código de conduta e filosofia outdoor
Responsabilidades individuais e coletivas com o meio ambiente, clima, lixo e o esporte. Etiqueta de trilha. Convívio harmonioso em trilha. Uso e respeito da terra pública e privada. Noções básicas de mínimo impacto ambiental. Princípios básicos de manutenção, recuperação e construção de trilha. Consumo consciente. Não violência. Respeito a todas as formas de vida. Aspectos sociais, culturais e históricos do esporte. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

4. Procedimentos básicos de emergência
Avaliação de emergências, estabilização de situações de emergência, determinação do procedimento de ação mais apropriado. Controle de riscos. Gerenciamento de recursos. Elaboração prévia de “plano de resgate” e “plano de auto-resgate”. Checklists. Kit de emergência. Kit de primeiros-socorros. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

5. Técnicas, conceitos e equipamento de cicloturismo
Apresentação de técnicas, conceitos e equipamento de uso em “cicloturismo esportivo” e “cicloturismo auto-suficiente”. Deslocamento com bagagem. Formas e transporte de bagagem. Pilotagem com diferentes modos de transporte de bagagem. Como organizar um acampamento selvagem. Nutrição e alimentação. Mínimo impacto ambiental. Checklists. Escolha de roteiros. Navegação com planilha, mapa ou carta topográfica. Uso básico do GPS. Preparação para cicloviagens. Preparação para cicloexpedições. Definição de conceitos. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

6. Navegação e orientação
Diferença entre mapas e cartas topográficas. Uso de carta topográfica e bússola em deslocamentos de bicicleta. Uso do GPS com suporte à navegação por carta topográfica. Compreensão básica da tecnologia de posicionamento global (GPS). Aula teórica e prática, com exercícios ao longo do curso.

7. Mecânica de emergência
Como resolver problemas mecânicos comuns em áreas remotas. Pneu furado. Pneu rasgado. Câmara rasgada. Raios quebrados. Alinhamento básico de rodas. Corrente quebrada. Troca de pedais. Utilização de ferramentas apropriadas. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

8. Técnicas de pilotagem
Exercícios práticos em trilha. Pilotagem em singletrack, subidas íngremes, descidas íngremes, degraus, obstáculos no solo, obstáculos acima do solo, curvas fechadas, curvas em velocidade, aceleração, frenagem, troca de marchas, “portagem” da bicicleta por obstáculos impedaláveis, “pedalada perfeita”. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

DSC04368 REDUX

CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE NECESSÁRIAS

Quando e se solicitado, o aluno deverá apresentar atestado médico confirmando estar em plena saúde, capacitado a participar em um curso de alta exigência física, em ambiente natural e potencialmente inóspito.

O aluno não precisa ser atleta, mas deve ser uma pessoa fisicamente ativa, que mantenha atividades esportivas regulares e constantes a pelo menos um ano, sem grandes interrupções.

EXPERIÊNCIA PRÉVIA NECESSÁRIA

O aluno não precisa ser um mountain biker experiente, mas quanto mais experiência tiver, melhor será seu aproveitamento do curso. É necessário no entanto possuir mountain bike própria e estar minimamente familiarizado com ela, saber pedalar, trocar marchas e frear. É importante salientar que o CURSO DE MOUNTAIN BIKE E CICLOTURISMO não é um curso introdutório ao ciclismo e sim um curso de conceitos, técnicas e equipamento específicos.

REDUX Expedição Curso MTB (Julho 2013) (85)

EQUIPAMENTO

Obrigatório:

• Mountain bike em perfeito estado de funcionamento, devidamente revisada e lubrificada, com pneus para uso em terra, de no mínimo 24 marchas, com suspensão dianteira (recomendamos 27 ou 30 marchas)
• Ciclocomputador instalado na bike e aferido
• Capacete de mountain bike em perfeito estado
• Óculos esportivos inquebráveis com proteção UV
• Luvas de mountain bike de meio dedos ou dedos inteiros
• Tênis para pedalar (sugerimos sapatilhas de ciclismo e pedais de encaixe)
• Jaqueta impermeável, preferencialmente em tecido respirável
• Relógio de pulso
• KIT FERRAMENTAS E REPAROS (2 câmaras de ar novas, remendos, cola, lixa, espátulas, bomba de ar, óleo lubrificante apropriado, alicate dobrável, chave de corrente, conjunto de chaves Allen, chave de raios, pedaço de pano para limpeza da corrente, duas tiras cortadas de câmara de ar velha de 50 x 2 centímetros, doze zip-ties de tamanhos diversos, pedaço de 5 centímetros da corrente usada na bike, rolo de Silvertape)
• Caramanhola (garrafinha de hidratação que se fixa ao quadro da bike) ou mochila de hidratação completa
• Repelentes de insetos e protetor solar
• Roupas apropriadas (bermuda de ciclismo com enchimento, camiseta em tecido sintético, meias esportivas em tecido sintético)
• Farol frontal para bike (pode ser pequeno, de pilhas AA) e pisca-pisca traseiro

Não obrigatório (recomendado):

• Sapatilhas de mountain bike apropriadas
• GPS com suporte para uso na bike
• Relógio de pulso
• Máquina fotográfica
• Repelente de insetos

Proibido:

• Bebidas alcoólicas
• Substancias entorpecentes de qualquer espécie
• Tabaco de qualquer espécie
• Aparelhos de som individuais ou coletivos
• Qualquer tipo de arma, branca ou de fogo

Curso de MTB e CicloT (13)

CARGA HORÁRIA / PROGRAMAÇÃO

Aproximadamente 24 horas de curso, divididos da seguinte forma:
Sexta-feira: chegada dos alunos a Gonçalves (MG), no REFÚGIO KALAPALO (link para detalhes no site), onde será servido um jantar simples de boas-vindas com sopa e torradas. Hospedagem no refúgio em quartos coletivos, de no máximo quatro pessoas por quarto, e banheiro compartilhado. Horário limite para a chegada ao refúgio: 23h00.
Sábado: café da manhã às 6h00. Início das atividades às 8h00, almoço às 12h30 e encerramento às 17h00 aproximadamente. Depois do jantar, servido às 19h30, faremos atividades e treinamentos dentro do refúgio até aproximadamente às 21h30.
Domingo: café da manhã às 6h00. Início das atividades às 8h00, almoço às 12h30 e encerramento às 15h00 aproximadamente, com dinâmica de avaliação, encerramento e diplomação. TODAS AS REFEIÇÕES ESTÃO INCLUÍDAS.

DATAS DO CURSO

Visite nossa AGENDA para saber as datas programadas para a realização desse e todos nossos demais cursos, treinamentos, workshops, vivências, viagens e expedições: http://www.kalapalo.com.br/index.php/agenda/

LOCAL DE REALIZAÇÃO DO CURSO

O CURSO DE MOUNTAIN BIKE E CICLOTURISMO (NÍVEL BÁSICO) é realizado no REFÚGIO KALAPALO, que está localizado no município de Gonçalves (MG), na Serra da Mantiqueira, na Fazenda Campestre. Sugerimos que os alunos provenientes da mesma cidade, como por exemplo São Paulo, se organizem em “carona solidária” para ir e vir até o curso, para minimizar despesas, gastos de combustível e impacto ambiental. Existem basicamente quatro formas de acesso ao nosso espaço:

1) Quase tudo asfalto:
Entre o asfalto que liga os municípios de São Bento do Sapucaí (SP) e Paraisópolis (MG), pela rodovia SP-042 (do lado paulista) ou MG-173/295 (do lado mineiro), está a entrada oficial para Gonçalves (MG), totalmente asfaltada. Uma vez no diminuto e simpático centro de Gonçalves siga as placas indicando São Sebastião das Três Orelhas, que fica 7 km antes do Bairro Campestre, onde estamos. Depois de São Sebastião das Três Orelhas logo aparecerão placas indicando a Fazenda Campestre, onde estamos situados. São 12 km em terra, que qualquer veículo de passeio consegue percorrer, não precisa ser 4×4. Uma dica para saber onde está a Fazenda Campestre, embora haja placas, é saber que a rua de terra que dá acesso ao REFÚGIO KALAPALO fica dez metros antes da entrada do Espaço Kalevala e de uma singela capelinha dedicada a São João. Essa rua de terra de 1,5 km de extensão chega diretamente à fazenda e ao REFÚGIO KALAPALO. Vá direto para a grande casa amarela no topo do morro, passando uma porteira e outra capelinha!

2) Quase tudo asfalto, com aventura:
A partir do município paulista de São Bento do Sapucaí, no bairro Serranos, existe um acesso de terra sinalizado que leva a Gonçalves (MG). São 12 km de extensão do centro da cidade até o REFÚGIO KALAPALO, metade em terra. O trecho de serra é íngreme e a estrada de terra pode estar em condições precárias, especialmente nos meses de chuva. Esse caminho é mais indicado a veículos 4×4, mas nos meses de estiagem pode ser feito normalmente por qualquer veículo. Depois de passar o portal que indica a divisa de municípios e de estados,  procure a capelinha muito singela, dedicada a São João, que fica na esquina da rua que dá acesso à Fazenda Campestre. A capelinha fica em frente ao Espaço Kalevala. Essa rua de terra de 1,5 km de extensão e termina na fazenda e no REFÚGIO KALAPALO. Vá direto para a grande casa amarela no topo do morro, passando uma porteira e outra capelinha!

3) Muita terra:
Pela Rodovia Fernão Dias, siga até o município de Cambuí (MG). Não entre no primeiro acesso (acesso sul), entre no segundo acesso, junto ao posto BR à direita para quem vai de São Paulo para Belo Horizonte. Uma vez na cidade, siga em direção ao bairro Córrego de Bom Jesus por cinco quilômetros em asfalto precário e suba a a serra em direção a Gonçalves. São 25 km de terra por uma estrada às vezes íngreme, sujeita a buracos e valetas dependendo do clima. Em época de chuva, esse é um caminho mais apropriado a veículos 4×4. No bairro rural de Campo dos Raposos vai haver uma estátua do Cristo Redentor com uma bifurcação. Tome a via da esquerda. O próximo bairro rural é Costas. Passe em frente à igreja matriz e vire à direita. Mais 9 km e chega-se ao cento de Gonçalves. Uma vez no diminuto e simpático centro de Gonçalves siga as placas indicando São Sebastião das Três Orelhas, que fica 7 km antes do Bairro Campestre, onde estamos. Depois de São Sebastião das Três Orelhas logo aparecerão placas indicando a Fazenda Campestre, onde estamos situados. São 12 km em terra, que qualquer veículo de passeio consegue percorrer, não precisa ser 4×4. Uma dica para saber onde está a Fazenda Campestre, embora haja placas, é saber que a rua de terra que dá acesso ao REFÚGIO KALAPALO fica dez metros antes da entrada do Espaço Kalevala e de uma singela capelinha dedicada a São João. Essa rua de terra de 1,5 km de extensão chega diretamente à fazenda e ao REFÚGIO KALAPALO. Vá direto para a grande casa amarela no topo do morro, passando uma porteira e outra capelinha!

4) Quase só terra:
Pela rodovia Fernão Dias, chegue ao distrito de Monte Verde (MG). É possível chegar a Monte Verde por Joanópolis (SP) ou Camanducaia (MG). Via Joanópolis é tudo terra, por 41 km de serra. Tem que chegar ao bairro Cancan em Monte Verde e passar em frente à conhecida Pousada Ponto de Luz e manter-se na estrada principal até chegar ao asfalto que liga Camanducaia a Monte Verde. Uma vez em Monte Verde, tem que seguir uma sequência de bairros rurais… Ponte Nova, Jaguary de Cima e Juncal, onde o caminho conecta com a estradinha de terra que liga o bairro Campestre com o centro de Gonçalves. Depois do Juncal vai haver placas indicando o bairro Campestre e a Fazenda Campestre. Uma dica para saber onde está a Fazenda Campestre, embora haja placas, é saber que a rua de terra que dá acesso ao REFÚGIO KALAPALO fica dez metros antes da entrada do Espaço Kalevala e de uma singela capelinha dedicada a São João. Essa rua de terra de 1,5 km de extensão chega diretamente à fazenda e ao REFÚGIO KALAPALO. Vá direto para a grande casa amarela no topo do morro, passando uma porteira e outra capelinha! Esse caminho todo, de Joanópolis a Monte Verde e depois até Gonçalves, está detalhadamente mapeado e publicado no GUIA DE TRILHAS CICLOMANTIQUEIRA (LINK para detalhes do livro no site).

DISTÂNCIAS ATÉ GONÇALVES (MG):
São Paulo (rodovia Fernão Dias): 180 km
São Paulo (rodovia Carvalho Pinto): 230 km
Rio de Janeiro (rodovia Fernão Dias): 380 km
Belo Horizonte (rodovia Fernão Dias): 480 km
Campinas (rodovias D. Pedro e F. Dias): 180 km
São José dos Campos: 100 km
Pouso Alegre: 80 km
Itajubá: 80 km
Campos do Jordão: 70 km
São Bento do Sapucaí: 25 km
Paraisópolis: 23 km
Monte Verde: 49 km

MAPA DA REGIÃO DE GONÇALVES, O BAIRRO CAMPESTRE ESTÁ NA BASE DO MAPA, NO CENTRO, A FAZENDA CAMPESTRE FICA NO PÉ DA PEDRA BONITA…

mapagonçalvesCAMPESTRE

EXPLICAÇÕES COMPLEMENTARES

Todo candidato a aluno será previamente entrevistado pela coordenação do curso, para decisão se sua adesão será aceita ou não, conforme parâmetros já estabelecidos e explicados. A Kalapalo Editora  reserva-se o direito de vetar a participação de qualquer pessoa que não preencha os pré-requisitos necessários de saúde, forma física, experiência, atitude, personalidade e disponibilidade de equipamento mínimo necessário.

O número máximo de alunos por curso é de oito (8) pessoas. O número mínimo é três (3). Não serão permitidos acompanhantes não-participantes, ouvintes, crianças ou animais de estimação. A região de Gonçalves é rica em pousadas e restaurantes para acompanhantes que queiram aproveitar o final de semana na montanha, independentes do curso.

O curso, uma vez agendado e confirmado, será realizado independentemente de condições climáticas. Clima “ruim” é considerado por nós como “condição positiva” ao aprendizado.

O curso não poderá ser gravado ou filmado. Fotos são permitidas, desde que não interfiram no andamento das aulas. O ritmo do curso será ditado pela média de experiência e capacidade física do grupo, respeitando sempre o indivíduo mais fraco, com menos experiência e pior preparado fisicamente.

O curso não oferece transporte para deslocamento para chegada a Gonçalves (MG) e partida. Deslocamentos que se façam necessários durante o curso será fornecidos pela Kalapalo Editora.

O curso oferece jantar leve na sexta-feira, café da manhã no sábado e lanche de fim de tarde no domingo, tudo preferencialmente com produtos orgânicos de produção local. Os lanches de trilha dos alunos para as atividades de sábado e domingo, são de responsabilidade individual de cada aluno.

Depois de inscrito, o aluno poderá cancelar o sua participação no curso, obtendo 80% de reembolso do valor integral do curso, se avisar a direção de sua desistência com no mínimo 15 (quinze) dias de antecedência. Depois desse prazo não haverá restituição do valor da inscrição.

INVESTIMENTO POR PESSOA

R$ 580,00 (quinhentos e oitenta reais) à vista.

OBS: Pagamentos efetuados à prazo com término das parcelas em data anterior ao início do curso não sofrerão acréscimo.

INSCRIÇÕES

Através de e-mail para [email protected] ou pelo telefone (35) 99939-3427 (Refúgio Kalapalo).

MATERIAL DIDÁTICO

O curso não oferece material didático impresso específico, ficando sob a responsabilidade de cada aluno fazer anotações, se achar necessário. As aulas são essencialmente práticas e, portanto, o aprendizado se dá de forma mais corporal que intelectual. O curso, entretanto, utiliza como base teórica impressa os livros publicados pela Kalapalo Editora (www.kalapalo.com.br), sendo esse material didático recomendado aos participantes, mas não obrigatório. O livro MANUAL DE MOUNTAIN BIKE & CICLOTURISMO, de autoria de Guilherme Cavallari e publicado pela Kalapalo Editora, é um material de suporte importante que pode ser bastante útil como material de referência.

Nossa biblioteca, mapoteca, banco de imagens e agenda de contatos encontram-se à disposição de todos os alunos para consulta.

CERTIFICAÇÃO

O curso oferece diploma impresso certificando sua conclusão a alunos com 100% de presença e participação nas aulas, com aproveitamento satisfatório comprovado pela direção do curso ao longo do mesmo.

DSC00506 REDUZIDA

INSTRUTOR

Guilherme Cavallari, fundador da Kalapalo Editora (2001), autor dos títulos: Guia de Trilhas BBV Banco (2001), dos oito títulos da coleção Guia de Trilhas enCICLOpédia (2006-2010), dos dois títulos da coleção Guia de Trilhas Trekking (2008 e 2009), do Manual de Trekking & Aventura (2008), do Guia de Trilhas cicloMANTIQUEIRA (2009), do Guia de Trilhas Carretera Austral (2010), do Guia de Trilhas Serra Geral (BluGrama) (2011) e do Manual de Mountain Bike & Cicloturismo (2012). Praticante de esportes de contato com a natureza desde 1976, tendo iniciado atividades com os grupos do Departamento de Menores e do Departamento de Jovens da ACM – Associação Cristã de Moços de São Paulo, sede Centro. Viveu e trabalhou sete anos fora do Brasil nos EUA (1979-80), onde trabalhou como limpador de chaminés em Boston, na Inglaterra (1988-89), onde colheu batatas em Cambridge, em Israel (1989), onde trabalhou como coveiro e atendente em parque de diversos entre outras atividades, na Itália (1989 e 2003), onde colheu maçãs em Trento e na Alemanha (2003-2004), onde trabalhou como bike courier em Berlim (2003-2004) e participou do II Campeonato Mundial de Bike Messengers em Londres (2004), representando a empresa alemã Messenger Berlin. Desceu o Rio Nilo em uma felucca (embarcação simples a vela), de Aswan a Luxor em quantro dias (1989). Percorreu toda a extensão da Turquia, de oeste a leste, ida e volta, exclusivamente de carona (1990). Realizou a Expedição Transpatagônia, de 6 meses de duração, 6.000 km de extensão em mountain bike, cerca de 600 km em trekking semi-selvagem, solo, autossuficiente, independente e autônomo, percorrendo toda extensão da Patagônia e da Terra do Fogo, tanto na Argentina quanto no Chile (2012-2013). Foi repórter free-lance da revista Adventure NEZ (1998-2001), repórter e editor da revista Aventura & Ação (2002-2005), colaborador da revista Go Outside (2006-2009). Participou como atleta de algumas das mais importantes provas de MTB no Brasil (entre 1997 e 2004). Participou como atleta das duas primeiras corridas de aventura do Brasil EMA – Expedição Mata Atlântica (1998 e 1999). Idealizador e criador do Clube da Aventura Kalapalo (2002) e do Curso de MTB (2004), inicialmente ministrado em Nazaré Paulista, SP. Mergulhador livre certificado pela Claumar/ACM Centro (1978). Diplomado em técnicas de orientação por bússola e leitura de cartas topográficas pela Federação Paulista de Orientação (1998). Salva-vidas profissional formado pela Secretaria de Esportes do Estado de São Paulo (1999). Graduado em Técnicas de Primeiros Socorros em Ambientes Remotos pela Adventure Factory (2005). Vive exclusivamente como profissional do segmento aventura desde 2006.

APRESENTAÇÃO

Após a graduação no Nível Básico (Líder de MTB) do CURSO DE MOUNTAIN BIKE E CICLOTURISMO do Clube da Aventura Kalapalo, o aluno poderá fazer nossa Pós-graduação do Nível Básico (Líder de MTB), cumprindo e documentando, de forma autônoma e independente, uma série de tarefas pré-estabelecidas. O objetivo dessa etapa é o acúmulo de experiência necessária para a consolidação do aprendizado.

Ao final desse processo, o aluno terá pedalado pelo menos 1.450 km em trilhas de diferentes graus de dificuldade técnica e física, em diferentes situações (à noite, em viagens, com acampamento, etc.), alinhado com nossa filosofia e, assim, adquirindo a experiência necessária para ser um “Líder de MTB”.

Para tanto, o candidato deverá preencher o Logbook do processo de Pós-graduação do Nível Básico (Líder de MTB) do Clube da Aventura Kalapalo e submetê-lo à análise e aprovação de uma mesa examinadora. Em seguida, deverá realizar uma apresentação, em forma de palestra pública, na sede do Clube da Aventura Kalapalo. Esse modelo curricular é baseado nos princípios didáticos aplicados em cursos de vôo, mergulho e pára-quedismo, para citar alguns exemplos, somado aos padrões curriculares universitários mais comuns.

A conclusão e certificação no processo de Pós-graduação do Nível Básico (Líder de MTB) permite ao aluno inscrever-se no curso de Nível Avançado (Explorador em MTB) do Clube da Aventura Kalapalo.

PROCESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DO NÍVEL BÁSICO (LÍDER DE MTB)

Nessa etapa de sua formação, o aluno deverá completar as seguintes tarefas:

• 20 trilhas diferentes, de distância individual entre 30 e 60 km, sem pernoite, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, sendo no mínimo 70% do percurso em terra, com ascensão e descenso total individual entre 600 e 1.200 m
• Duas trilhas noturnas diferentes, de distância individual entre 30 e 60 km, sem pernoite, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, sendo no mínimo 70% do percurso em terra, com ascensão e descenso total individual entre 600 e 1.200 m
• Duas trilhas diferentes, de distância individual entre 61 e 80 km, sem pernoite, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, sendo no mínimo 70% do percurso em terra e com ascensão e descenso total individual superior a 1.000 m
• Uma trilha de distância total mínima de 90 km, sem pernoite, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, sendo no mínimo 70% do percurso em terra, com ascensão e descenso total mínima de 2.000 m
• Uma cicloviagem com pelo menos três pernoites, em estilo “cicloturismo esportivo”, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, de distância total mínima entre 100 e 200 km, sendo no mínimo 80% do percurso em terra e sem limite mínimo de ascensão e descenso total
• Uma cicloviagem com pelo menos três pernoites, em estilo “cicloturismo auto-suficiente”, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, de distância total mínima entre 100 e 200 km, sendo 80% do percurso em terra e sem limite mínimo de ascensão e descenso total
• Um projeto de cicloviagem com trechos ou exclusivamente em estilo “cicloturismo auto-suficiente”, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, não necessariamente inédita ou de caráter exploratório, com pelo menos seis pernoites, de distância total mínima de 400 km, sendo no mínimo 80% do percurso em terra, sem limite mínimo de ascensão e descenso total, incluindo em seu percurso uma atividade de aventura, segundo definição do Clube da Aventura Kalapalo (*), diferente do MTB, de pelo menos oito horas de duração (como, por exemplo, um roteiro de trekking, um deslocamento de caiaque ou rafting, múltiplas escaladas, um roteiro de cavalgada, etc.)
• Apresentação na sede do Clube da Aventura Kalapalo, para platéia de membros e convidados, de um documentário com palestra e exibição de imagens (fotos e/ou filme) que represente a experiência do processo de pós-graduação (preenchimento do logbook) e do projeto de cicloviagem em estilo “cicloturismo auto-suficiente” ou misto

EXPLICAÇÕES COMPLEMENTARES

O aluno não é obrigado a adquirir o Logbook de Pós-graduação em MTB Nível Nível Básico (Líder em MTB) oficial do Clube da Aventura Kalapalo, impresso pela Kalapalo Editora, podendo utilizar seu formato como modelo para preenchimento.

O aluno também não precisa participar das atividades de MTB do Clube da Aventura Kalapalo, em particular aquelas desenvolvidas especialmente para facilitar o preenchimento do Logbook de alunos em processo de Pós-graduação do Nível Básico (Líder em MTB).

O Clube da Aventura Kalapalo oferece apoio durante todo esse processo de pós-graduação, que é obrigatoriamente realizado de forma independe, fornecendo informação gratuita, esclarecendo dúvidas, promovendo atividades de apoio e reciclagem de ensinamentos, realizando eventos válidos para o processo de Pós-graduação do Nível Básico (Líder em MTB).

Todo o processo de pós-graduação e cada tarefa pré-requisitada serão auditados e verificados por uma mesa examinadora, selecionada pela direção do CURSO DE MOUNTAIN BIKE E CICLOTURISMO. Todo material apresentado e comprovado conforme sua veracidade, pertinência e qualidade, será arquivado pelo Clube da Aventura Kalapalo, a título de backup.

PRÉ-REQUESITOS NECESSÁRIOS

Aluno deverá apresentar o certificado de conclusão do curso Nível Básico (Líder de MTB) do Clube da Aventura Kalapalo.

INVESTIMENTO POR PESSOA

R$ 160,00 (cento e sessenta reais) à vista.

MATERIAL DIDÁTICO

O curso não oferece material didático impresso específico, ficando sob a responsabilidade de cada aluno fazer anotações, se achar necessário. As aulas são essencialmente práticas e, portanto, o aprendizado se dá de forma mais corporal que intelectual. O curso, entretanto, utiliza como base teórica impressa os livros publicados pela Kalapalo Editora (http://www.kalapalo.com.br/), sendo esse material didático recomendado aos participantes, mas não obrigatório.

Nossa biblioteca, mapoteca, banco de imagens e agenda de contatos encontram-se à disposição de todos os alunos para consulta.

TEMPO LIMITE

O aluno tem um ano, a partir de sua inscrição no processo de Pós-graduação do Nível Básico (Líder em MTB), para concluir todas as tarefas, apresentar à mesa examinadora as provas dessa conclusão e realizar sua apresentação pública na sede do Clube da Aventura Kalapalo.

CERTIFICAÇÃO

Diploma exclusivo impresso, certificando a conclusão da Pós-graduação do Nível Básico (Líde em MTB), para alunos que efetivamente apresentarem todas as tarefas cumpridas e documentadas, aprovadas pela mesa examinadora, e realizarem a apresentação final.

ORIENTADOR

Guilherme Cavallari, fundador da Kalapalo Editora (2001), autor dos títulos: Guia de Trilhas BBV Banco (2001), dos oito títulos da coleção Guia de Trilhas enCICLOpédia (2006-2010), dos dois títulos da coleção Guia de Trilhas Trekking (2008 e 2009), do Manual de Trekking & Aventura (2008), do Guia de Trilhas cicloMANTIQUEIRA (2009), do Guia de Trilhas Carretera Austral (2010), do Guia de Trilhas Serra Geral (BluGrama) (2011) e do Manual de Mountain Bike & Cicloturismo (2012). Praticante de esportes de contato com a natureza desde 1976, tendo iniciado atividades com os grupos do Departamento de Menores e do Departamento de Jovens da ACM – Associação Cristã de Moços de São Paulo, sede Centro. Viveu e trabalhou sete anos fora do Brasil nos EUA (1979-80), onde trabalhou como limpador de chaminés em Boston, na Inglaterra (1988-89), onde colheu batatas em Cambridge, em Israel (1989), onde trabalhou como coveiro e atendente em parque de diversos entre outras atividades, na Itália (1989 e 2003), onde colheu maçãs em Trento e na Alemanha (2003-2004), onde trabalhou como bike courier em Berlim (2003-2004) e participou do II Campeonato Mundial de Bike Messengers em Londres (2004), representando a empresa alemã Messenger Berlin. Desceu o Rio Nilo em uma felucca (embarcação simples a vela), de Aswan a Luxor em quantro dias (1989). Percorreu toda a extensão da Turquia, de oeste a leste, ida e volta, exclusivamente de carona (1990). Realizou a Expedição Transpatagônia, de 6 meses de duração, 6.000 km de extensão em mountain bike, cerca de 600 km em trekking semi-selvagem, solo, autossuficiente, independente e autônomo, percorrendo toda extensão da Patagônia e da Terra do Fogo, tanto na Argentina quanto no Chile (2012-2013). Foi repórter free-lance da revista Adventure NEZ (1998-2001), repórter e editor da revista Aventura & Ação (2002-2005), colaborador da revista Go Outside (2006-2009). Participou como atleta de algumas das mais importantes provas de MTB no Brasil (entre 1997 e 2004). Participou como atleta das duas primeiras corridas de aventura do Brasil EMA – Expedição Mata Atlântica (1998 e 1999). Idealizador e criador do Clube da Aventura Kalapalo (2002) e do Curso de MTB (2004), inicialmente ministrado em Nazaré Paulista, SP. Mergulhador livre certificado pela Claumar/ACM Centro (1978). Diplomado em técnicas de orientação por bússola e leitura de cartas topográficas pela Federação Paulista de Orientação (1998). Salva-vidas profissional formado pela Secretaria de Esportes do Estado de São Paulo (1999). Graduado em Técnicas de Primeiros Socorros em Ambientes Remotos pela Adventure Factory (2005). Vive exclusivamente como profissional do segmento aventura desde 2006.

APRESENTAÇÃO

O Nível Avançado (Explorador em MTB) apresenta ao praticante experiente de mountain bike conceitos, técnicas e equipamento mais versáteis e abrangentes, visando aprofundar conhecimentos, desenvolver potencial e expandir limites pessoais e os limites do próprio esporte. Técnicas e conceitos abordados no Nível Básico (Líder de MTB) são aprofundados e aprimorados e mais recursos tecnológicos são apresentados. Os temas do curso se diversificam, resultando em uma mudança conceitual na postura do ciclista que, a partir de uma visão mais abrangente, terá condições reais de atuar como um “Explorador em MTB”. O objetivo desse nível do curso é expandir a capacidade de liderança do ciclista, a ponto dele estar pronto a assumir maiores responsabilidades, explorar com segurança terrenos inóspitos e isolados, estender seu horizonte e o horizonte do esporte, sozinho ou à frente de um grupo.

CONTEÚDO RESUMIDO

1. Mínimo impacto, RRRR, preservação, recuperação e manutenção de trilhas
2. Ética, liderança, segurança e sustentabilidade
3. Técnicas, conceitos e equipamento para cicloexpedições
4. Navegação, orientação e uso da tecnologia GPS
5. Introdução a técnicas de primeiros socorros em áreas remotas
6. Consolidação de técnicas de pilotagem

CONTEÚDO DETALHADO

1. Mínimo impacto, RRRR, preservação, recuperação e manutenção de trilhas
Conceitos e técnicas de mínimo impacto. Leave no Trace. Equipamento apropriado, caminho apropriado, forma de deslocamento apropriada. Limpeza, preservação, recuperação e manutenção de trilhas. Reduzir, reutilizar, reciclar e repensar. Reconhecimento de solos e tipos de vegetação. Princípios de meteorologia. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

2. Ética, liderança, segurança e sustentabilidade
Responsabilidades individuais e coletivas com o meio ambiente, clima, lixo e o esporte. Etiqueta de trilha. Convívio harmonioso em trilha. Uso da terra pública e privada. Respeito à propriedade privada. Consumo consciente. Não violência. Respeito a todas as formas de vida. Aplicabilidade de todos os conceitos, técnicas e equipamento discutidos, estudados e testados, em um estilo de vida onde a mountain bike pode ser um veículo de transformação individual e coletivo, visando convívio mais harmonioso entre pessoas e como meio ambiente, urbano ou natural. Técnicas de liderança de grupos. Planejamento e administração de saídas em grupo. Administração de recursos. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

3. Técnicas, conceitos e equipamento para cicloexpedições
Conceituação de “cicloviagem” e “cicloexpedição”. Técnicas, conceitos e equipamento de uso em “cicloturismo “esportivo”, “auto-suficiente” e “cicloexpedições”. Acampamentos selvagens. Bivaques em áreas remotas e possivelmente inóspitas. Nutrição e alimentação. Elaboração de “plano de resgate” e “plano de auto-resgate”. Gerenciamento de recursos e riscos. Técnicas de montanhismo no ambiente MTB, como rapel, ascensão em corda e tirolesa com a bike. Técnicas de canoagem no ambiente MTB, como “portagem”, travessia de grandes corpos de água e packrafting com a bike. Transporte de bagagem em excesso. Deslocamento com excesso de bagagem. Pilotagem com diferentes modos de transporte de bagagem em excesso. Escolha de roteiros. Preparação para expedições. Checklists. Mapeamento de roteiros. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

4. Navegação, orientação e uso da tecnologia GPS
Navegação com diferentes mapas, cartas topográficas em diferentes escalas, planilhas e tabelas de orientação. Uso do GPS em trilhas e viagens. Uso do GPS antes durante e depois da trilha. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

5. Introdução a técnicas de primeiros socorros em áreas remotas
Curso sem certificação específica, apenas de introdução a problemas mais comuns e possíveis em trilha. Kit de emergência. Kit básico de primeiros socorros. Atendimento de emergência realizado por leigos não previamente preparados. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso. Recomendamos um curso complementar específico, ministrados por profissionais da área da saúde devidamente credenciados e com certificação internacional. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

6. Consolidação de técnicas de pilotagem
Singletrack em situações adversas. “Pedalada perfeita”. Subidas muito íngremes. Descidas muito íngremes. Degraus muito altos. Obstáculos grandes no solo. Obstáculos grandes acima do solo. Curvas em alta velocidade. Aceleração em situações adversas. Frenagem em situações adversas. Obstáculos impedaláveis. “Reboque”. Aula teórica e prática, com mais exercícios práticos ao longo do curso.

PRÉ-REQUESITOS NECESSÁRIOS

Aluno deverá apresentar os certificados de conclusão dos cursos:

• Nível Básico (Líder de MTB)
• Pós-graduação do Nível Básico (Líder de MTB)

CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE NECESSÁRIAS

Se o período entre a graduação do Nível Básico (Líder de MTB) e o início do Nível Avançado (Explorador em MTB) exceder um ano, o aluno deverá apresentar atestado médico confirmando estar em plena saúde, capacitado a participar em um curso de alta exigência física, em ambiente natural e potencialmente inóspito.

O aluno não precisa ser atleta, mas deve ser uma pessoa fisicamente ativa, que mantenha atividades esportivas regulares e constantes a pelo menos um ano, sem grandes interrupções – o que é facilmente comprovado se o aluno realizou o processo de Pós-graduação do Nível Básico (Líder de MTB).

EQUIPAMENTO NECESSÁRIO

Obrigatório:

• Mountain bike em perfeito estado de funcionamento, devidamente limpa e lubrificada, com pneus para uso em terra, de no mínimo 24 marchas, com suspensão dianteira
• Sistema de transporte de carga apropriado, instalado na bike (alforjes ou bike trailer)
• Ciclocomputador instalado na bike
• Capacete de mountain bike em perfeito estado
• Óculos esportivos com proteção UV
• Luvas de mountain bike
• Jaqueta impermeável, preferencialmente em tecido respirável
• Relógio de pulso
• Roupas apropriadas em tecido sintético
• Roupas térmicas apropriadas em tecido sintético
• Kit de ferramentas básicas contendo: duas câmaras de ar novas, bomba de ar manual, kit de remendos completo (remendos, cola, lixa e espátulas), chave de corrente, chave de raios apropriada às rodas, jogo de chaves Allen, seis Zip-ties pequenos (15 cm), uma câmara de ar velha cortada em duas ou três tiras de 50 cm
• Caramanhola (garrafinha de hidratação que se fixa ao quadro da bike) ou mochila de hidratação completa
• Óleo lubrificante apropriado
• Protetor solar
• Refeições leves e lanche de trilha para as etapas de sábado e domingo
• Bússola
• Canivete multiuso
• Lanterna de cabeça com pilhas ou baterias novas
• Kit de higiene pessoal

Não obrigatório (recomendado):

• Mountain bike cross country ou all mountain de 27 marchas, com pedais de encaixe, de peso máximo do conjunto completo de 13 kg (quadros rígidos), ou de 15 kg (quadros de suspensão dupla)
• Segundo ciclocomputador instalado na bike
• Sapatilhas de mountain bike apropriadas
• Roupas apropriadas e específicas, como bermudas com enchimento do cós, camisetas com bolsos traseiros, meias baixas e justas em tecido sintético
• Calça impermeável
• Barraca de 3 estações, para uma ou duas pessoas, com varetas de alumínio, em nylon
• Saco de dormir
• Isolante térmico
• Barraca de 3 estações, para duas pessoas, com varetas de alumínio, em nylon
• Cozinha completa (fogareiro ou espiriteira, combustível, jogo de panelas, etc.)
• Canivete multiuso
• Aparelho de GPS próprio
• Notebook próprio
• Softwear gratuito Trackmaker
• Kit pessoal de primeiro socorros e medicamentos

Opcional:

• Luneta ou binóculos
• Relógio de pulso com altímetro
• Máquina fotográfica

Proibido:

• Bebidas alcoólicas
• Substancias entorpecentes de qualquer espécie
• Tabaco de qualquer espécie
• Aparelhos de som individuais ou coletivos
• Qualquer tipo de arma, branca ou de fogo

CARGA HORÁRIA / PROGRAMAÇÃO

36 horas de curso, divididos da seguinte forma:
Sexta-feira das 19:00 às 22:00
Sábado das 07:00 às 00:00 (pernoite em acampamento)
Domingo das 00:00 às 16:00

LOCAIS DE REALIZAÇÃO DO CURSO

Sexta-feira, na sede do Clube da Aventura Kalapalo (São Paulo, SP)
Sábado e domingo, em trilha com acampamento a ser escolhida pela direção do curso.

EXPLICAÇÕES COMPLEMENTARES

Todo pretendente a aluno será previamente entrevistado pela direção do curso, para decisão se sua adesão será aceita ou não, conforme parâmetros já estabelecidos e explicados, inclusive alunos recém-graduados na Pós-graduação do Nível Básico (Líder de MTB). O Clube da Aventura Kalapalo reserva-se o direito de vetar a participação de qualquer pessoa que não preencha os pré-requisitos necessários de saúde, forma física, experiência, atitude, personalidade e equipamento mínimo necessário.

O número máximo de alunos por curso é de oito pessoas. O número mínimo é três. Não serão permitidos acompanhantes não-participantes, ouvintes, crianças ou animais de estimação.

O curso, uma vez agendado e confirmado, será realizado independentemente de condições climáticas. Clima “ruim” é inclusive considerado, por nós, como condição positiva ao aprendizado.

O curso não poderá ser gravado ou filmado. Fotos são permitidas, desde que não interfiram no andamento das aulas. O ritmo do curso será ditado pela média de experiência e capacidade física do grupo, respeitando sempre o indivíduo mais fraco, menos experiente e pior preparado.

O curso não oferece transporte para deslocamento entre os locais de aula. Essa logística deverá ser resolvida pelos integrantes do curso, levando-se em conta os critérios sócio-ambientais estabelecidos pelo próprio curso.

O curso não oferece alimentação ou hospedagem de qualquer forma.

Depois de inscrito, o aluno poderá cancelar o sua participação no curso, obtendo 80% de reembolso do valor integral do curso, se avisar a direção de sua desistência com no mínimo 15 (quinze) dias de antecedência. Depois desse prazo não haverá restituição do valor da inscrição.

INVESTIMENTO POR PESSOA

R$ 580,00 (quinhentos e oitenta reais) à vista.

OBS: Pagamentos efetuados à prazo com término das parcelas em data anterior ao início do curso não sofrerão acréscimo.

MATERIAL DIDÁTICO

O curso não oferece material didático impresso específico, ficando sob a responsabilidade de cada aluno fazer anotações, se achar necessário. As aulas são essencialmente práticas e, portanto, o aprendizado se dá de forma mais corporal que intelectual. O curso, entretanto, utiliza como base teórica impressa os livros publicados pela Kalapalo Editora (http://www.kalapalo.com.br/), sendo esse material didático recomendado aos participantes, mas não obrigatório.

Nossa biblioteca, mapoteca, banco de imagens e agenda de contatos encontram-se à disposição de todos os alunos para consulta.

CERTIFICAÇÃO

O curso oferece diploma impresso certificando sua conclusão a alunos com 100% de presença e participação nas aulas, com aproveitamento satisfatório comprovado pela direção do curso ao longo do mesmo.

INSTRUTOR

Guilherme Cavallari, fundador da Kalapalo Editora (2001), autor dos títulos: Guia de Trilhas BBV Banco (2001), dos oito títulos da coleção Guia de Trilhas enCICLOpédia (2006-2010), dos dois títulos da coleção Guia de Trilhas Trekking (2008 e 2009), do Manual de Trekking & Aventura (2008), do Guia de Trilhas cicloMANTIQUEIRA (2009), do Guia de Trilhas Carretera Austral (2010), do Guia de Trilhas Serra Geral (BluGrama) (2011) e do Manual de Mountain Bike & Cicloturismo (2012). Praticante de esportes de contato com a natureza desde 1976, tendo iniciado atividades com os grupos do Departamento de Menores e do Departamento de Jovens da ACM – Associação Cristã de Moços de São Paulo, sede Centro. Viveu e trabalhou sete anos fora do Brasil nos EUA (1979-80), onde trabalhou como limpador de chaminés em Boston, na Inglaterra (1988-89), onde colheu batatas em Cambridge, em Israel (1989), onde trabalhou como coveiro e atendente em parque de diversos entre outras atividades, na Itália (1989 e 2003), onde colheu maçãs em Trento e na Alemanha (2003-2004), onde trabalhou como bike courier em Berlim (2003-2004) e participou do II Campeonato Mundial de Bike Messengers em Londres (2004), representando a empresa alemã Messenger Berlin. Desceu o Rio Nilo em uma felucca (embarcação simples a vela), de Aswan a Luxor em quantro dias (1989). Percorreu toda a extensão da Turquia, de oeste a leste, ida e volta, exclusivamente de carona (1990). Realizou a Expedição Transpatagônia, de 6 meses de duração, 6.000 km de extensão em mountain bike, cerca de 600 km em trekking semi-selvagem, solo, autossuficiente, independente e autônomo, percorrendo toda extensão da Patagônia e da Terra do Fogo, tanto na Argentina quanto no Chile (2012-2013). Foi repórter free-lance da revista Adventure NEZ (1998-2001), repórter e editor da revista Aventura & Ação (2002-2005), colaborador da revista Go Outside (2006-2009). Participou como atleta de algumas das mais importantes provas de MTB no Brasil (entre 1997 e 2004). Participou como atleta das duas primeiras corridas de aventura do Brasil EMA – Expedição Mata Atlântica (1998 e 1999). Idealizador e criador do Clube da Aventura Kalapalo (2002) e do Curso de MTB (2004), inicialmente ministrado em Nazaré Paulista, SP. Mergulhador livre certificado pela Claumar/ACM Centro (1978). Diplomado em técnicas de orientação por bússola e leitura de cartas topográficas pela Federação Paulista de Orientação (1998). Salva-vidas profissional formado pela Secretaria de Esportes do Estado de São Paulo (1999). Graduado em Técnicas de Primeiros Socorros em Ambientes Remotos pela Adventure Factory (2005). Vive exclusivamente como profissional do segmento aventura desde 2006.

APRESENTAÇÃO

Após a graduação no Nível Avançado (Explorador em MTB) do CURSO DE MOUNTAIN BIKE E CICLOTURISMO do Clube da Aventura Kalapalo, o aluno poderá fazer nossa Pós-graduação do Nível Avançado (Explorador em MTB), cumprindo e documentando, de forma autônoma e independente, uma série de tarefas pré-estabelecidas. O objetivo dessa etapa é o acúmulo de experiência necessária para a consolidação do aprendizado.

Ao final desse processo, o aluno terá pedalado pelo menos 2.920 km em trilhas de diferentes graus de dificuldade técnica e física, em diferentes situações (à noite, em viagens, com acampamento, etc.), alinhado com nossa filosofia e, assim, adquirindo a experiência necessária para ser um “Explorador em MTB”.

Para tanto, o candidato deverá preencher o Logbook do processo de Pós-graduação do Nível Avançado (Explorador em MTB) do Clube da Aventura Kalapalo e submetê-lo à análise e aprovação de uma mesa examinadora. Em seguida, deverá realizar uma apresentação, em forma de palestra pública, na sede do Clube da Aventura Kalapalo. Esse modelo curricular é baseado nos princípios didáticos aplicados em cursos de vôo, mergulho e pára-quedismo, para citar alguns exemplos, somado aos padrões curriculares universitários mais comuns.

O certificado de Pós-graduação do Nível Avançado (Explorador em MTB), complementado por um curso de primeiros socorros em áreas remotas ministrado por profissionais credenciados da are da saúde e com um certificado internacional, também torna o ciclista elegível a instrutor remunerado do CURSO DE MOUNTAIN BIKE E CICLOTURISMO do Clube da Aventura Kalapalo.

PROCESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DO NÍVEL AVANÇADO (EXPLORADOR EM MTB)

Nessa etapa de sua formação, o aluno deverá completar as seguintes tarefas:

• 25 trilhas diferentes, de distância individual entre 45 e 70 km, sem pernoite, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, sendo no mínimo 85% do percurso em terra, com ascensão e descenso total individual mínima de 600 m
• Duas trilhas noturnas diferentes, de distância individual entre 45 e 70 km, sem pernoite, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, sendo no mínimo 85% do percurso em terra, com ascensão e descenso total individual mínima de 600 m
• Duas trilhas de distância individual entre 71 e 90 km, sem pernoite, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, sendo no mínimo 85% do percurso em terra e com ascensão e descenso total individual mínima de 1.600
• Duas trilhas diferentes, de distância total mínima de 100 km, sem pernoite, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, sendo no mínimo 85% do percurso em terra, com ascensão e descenso total mínima de 3.000 m
• Uma cicloviagem com pelo menos quatro pernoites cada, em estilo “cicloturismo esportivo”, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, de distância individual entre 150 e 300 km, sendo no mínimo 85% do percurso em terra e sem limite mínimo de ascensão e descenso total
• Uma cicloexpedição em estilo “cicloturismo auto-suficiente” sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, inédita e de caráter exploratória, com pelo menos quatro pernoites, de distância total mínima de 200 km, sendo no mínimo 85% do percurso em terra e sem limite mínimo de ascensão e descenso total
• Um projeto de cicloexpedição em estilo “cicloturismo auto-suficiente”, sem guias locais, realizadas de forma autônoma, independente e auto-suficiente, não necessariamente inédita ou de caráter exploratório, com pelo menos sete pernoites, de distância total mínima de 500 km, sendo no mínimo 85% do percurso em terra, sem limite mínimo de ascensão e descenso total, incluindo em seu percurso uma atividade de aventura, segundo definição do Clube da Aventura Kalapalo (*), diferente do MTB, de pelo menos dois dias de duração com um pernoite em seu percurso (como por exemplo, um roteiro de trekking, uma viagem de caiaque, múltiplas escaladas com pernoite em um acampamento base, um roteiro de cavalgada, etc.)
• Apresentação na sede do Clube da Aventura Kalapalo, para platéia de membros e convidados, de um documentário com palestra e imagens (fotos e/ou filme) que represente a experiência do processo de graduação (preenchimento do Logbook) e do projeto de cicloexpedição

EXPLICAÇÕES COMPLEMENTARES

O aluno não é obrigado a adquirir o Logbook de Pós-graduação em MTB Nível Avançado (Explorador em MTB) oficial do Clube da Aventura Kalapalo, impresso pela Kalapalo Editora, podendo utilizar seu formato como modelo para preenchimento.

O aluno também não precisa participar das atividades de MTB do Clube da Aventura Kalapalo, em particular aquelas desenvolvidas especialmente para facilitar o preenchimento do Logbook de alunos em processo de Pós-graduação em MTB Nível Avançado (Explorador em MTB).

O Clube da Aventura Kalapalo oferece apoio durante todo esse processo de pós-graduação, que é obrigatoriamente realizado de forma independe, fornecendo informação gratuita, esclarecendo dúvidas, promovendo atividades de apoio e reciclagem de ensinamentos, realizando eventos válidos para o processo de Pós-graduação em MTB Nível Avançado (Explorador em MTB).

Todo o processo de pós-graduação e cada tarefa pré-requisitada serão auditados e verificados por uma mesa examinadora, selecionada pela direção do CURSO DE MOUNTAIN BIKE E CICLOTURISMO. Todo material apresentado e comprovado conforme sua veracidade, pertinência e qualidade, será arquivado pelo Clube da Aventura Kalapalo, a título de backup.

PRÉ-REQUESITOS NECESSÁRIOS

Aluno deverá apresentar os certificados de conclusão dos seguintes cursos do Clube da Aventura Kalapalo:

• Nível Básico (Líder de MTB)
• Pós-graduação do Nível Básico (Líder de MTB)
• Nível Avançado (Explorador em MTB)

INVESTIMENTO POR PESSOA

R$ 160,00 (cento e sessenta reais) à vista.

MATERIAL DIDÁTICO

Não existe material didático específico para essa etapa do curso, mas toda a biblioteca, mapoteca, banco de imagens e assessoria pessoal do Clube da Aventura Kalapalo estarão à disposição do aluno durante todo o processo de pós-graduação.

TEMPO LIMITE

O aluno tem um ano, a partir de sua inscrição no processo de Pós-graduação do Nível Avançado (Explorador em MTB), para concluir todas as tarefas, apresentar à mesa examinadora as provas dessa conclusão e realizar sua apresentação pública na sede do Clube da Aventura Kalapalo.

CERTIFICAÇÃO

Diploma exclusivo impresso, certificando a conclusão da Pós-graduação do Nível Avançado (Explorador em MTB), para alunos que efetivamente apresentarem todas as tarefas cumpridas e documentadas, aprovadas pela mesa examinadora, e realizarem sua apresentação final.

FORMAÇÃO COMPLEMENTAR

Para complementação do CURSO DE MOUNTAIN BIKE E CICLOTURISMO do Clube da Aventura Kalapalo, em qualquer de suas etapas, mas principalmente para a conclusão do processo de Pós-Graduação do Nível Avançado (Explorador em MTB), é obrigatório uma certificação em técnicas de primeiros socorros em áreas remotas, ministrada por profissionais da área da saúde credenciados e com validade internacional. É de praxe em todo o mundo a exigência de reciclagem desses cursos a cada dois anos. Até o presente momento o Clube da Aventura Kalapalo não oferece esse tipo de certificação.

ORIENTADOR

Guilherme Cavallari, fundador da Kalapalo Editora (2001), autor dos títulos: Guia de Trilhas BBV Banco (2001), dos oito títulos da coleção Guia de Trilhas enCICLOpédia (2006-2010), dos dois títulos da coleção Guia de Trilhas Trekking (2008 e 2009), do Manual de Trekking & Aventura (2008), do Guia de Trilhas cicloMANTIQUEIRA (2009), do Guia de Trilhas Carretera Austral (2010), do Guia de Trilhas Serra Geral (BluGrama) (2011) e do Manual de Mountain Bike & Cicloturismo (2012). Praticante de esportes de contato com a natureza desde 1976, tendo iniciado atividades com os grupos do Departamento de Menores e do Departamento de Jovens da ACM – Associação Cristã de Moços de São Paulo, sede Centro. Viveu e trabalhou sete anos fora do Brasil nos EUA (1979-80), onde trabalhou como limpador de chaminés em Boston, na Inglaterra (1988-89), onde colheu batatas em Cambridge, em Israel (1989), onde trabalhou como coveiro e atendente em parque de diversos entre outras atividades, na Itália (1989 e 2003), onde colheu maçãs em Trento e na Alemanha (2003-2004), onde trabalhou como bike courier em Berlim (2003-2004) e participou do II Campeonato Mundial de Bike Messengers em Londres (2004), representando a empresa alemã Messenger Berlin. Desceu o Rio Nilo em uma felucca (embarcação simples a vela), de Aswan a Luxor em quantro dias (1989). Percorreu toda a extensão da Turquia, de oeste a leste, ida e volta, exclusivamente de carona (1990). Realizou a Expedição Transpatagônia, de 6 meses de duração, 6.000 km de extensão em mountain bike, cerca de 600 km em trekking semi-selvagem, solo, autossuficiente, independente e autônomo, percorrendo toda extensão da Patagônia e da Terra do Fogo, tanto na Argentina quanto no Chile (2012-2013). Foi repórter free-lance da revista Adventure NEZ (1998-2001), repórter e editor da revista Aventura & Ação (2002-2005), colaborador da revista Go Outside (2006-2009). Participou como atleta de algumas das mais importantes provas de MTB no Brasil (entre 1997 e 2004). Participou como atleta das duas primeiras corridas de aventura do Brasil EMA – Expedição Mata Atlântica (1998 e 1999). Idealizador e criador do Clube da Aventura Kalapalo (2002) e do Curso de MTB (2004), inicialmente ministrado em Nazaré Paulista, SP. Mergulhador livre certificado pela Claumar/ACM Centro (1978). Diplomado em técnicas de orientação por bússola e leitura de cartas topográficas pela Federação Paulista de Orientação (1998). Salva-vidas profissional formado pela Secretaria de Esportes do Estado de São Paulo (1999). Graduado em Técnicas de Primeiros Socorros em Ambientes Remotos pela Adventure Factory (2005). Vive exclusivamente como profissional do segmento aventura desde 2006.

(*) definição de “esporte de aventura”, ou simplesmente “aventura”, segundo o Clube da Aventura Kalapalo: Conjunto de atividades físicas de contato harmonioso com a natureza, conforme o Guia de Trilhas Carretera Austral, de Guilherme Cavallari, publicado pela Kalapalo Editora, 2010.

Relatos e fotos
4-Curso-de-Trekking--junho-2012
RELATO E FOTOS DO CURSO DE TREKKING (JUNHO 2012)
Depois de quase três semanas consecutivas de muita chuva, batendo todos os recordes de precipitação em São Paulo das últimas décadas, tivemos um fim de semana de sol pleno… Justamente no final de semana
3
REALIZADO O CURSO DE TREKKING (NÍVEL BÁSICO)
Realizamos a terceira turma do CURSO DE TREKKING (NÍVEL BÁSICO) de 27 a 29 de janeiro. Sete alunos concluíram o curso e se diplomaram: (em pé) Ulisses de Souza Rodrigues, Diana de Matos Gregores,
Curso
REALIZADA A SEGUNDA TURMA DO CURSO DE TREKKING
Parabéns aos graduados da segunda turma do CURSO DE TREKKING – NÍVEL BÁSICO (LÍDER DE TREKKING) (link para descritivo completo do curso) realizado de 26 a 28 de agosto aqui no Clube da Aventura Kalapalo!
Inscrições

Gostou do curso? Preencha a Ficha de Interesse abaixo e entraremos em contato.

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Telefone (obrigatório)

Celular

Endereço (obrigatório)

Número

Bairro (obrigatório)

Cidade (obrigatório)

UF (obrigatório)

Depoimentos